Notícia

Agência USP de Inovação

Troca de conhecimentos e geração de negócios marcaram a III Expocietec

Publicado em 03 dezembro 2018

A III Expocietec, realizada entre os dias 27 e 28 de novembro, em São Paulo, celebrou os 20 anos do Cietec, entidade gestora da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo USP/Ipen, aproximando as 39 startups expositoras, cientistas, empreendedores e o público participante, formado por investidores, pesquisadores, executivos e representantes de entidades e corporações do setor de inovação do País.

O evento contou com uma ampla programação de palestras, com o tema “Fronteiras da Tecnologia”, sempre sob a perspectiva de empreendedorismo inovador. Os expositores apresentaram o resultado prático dessas tecnologias, desenvolvidas pelas startups da Incubadora USP/IPEN-Cietec.

A III Expocietec teve início com a cerimônia de abertura realizada por autoridades e representantes das entidades do setor de CT&I que destacaram o crescimento do setor de inovação no País. Em seguida, um painel apresentou três casos de empresas de sucesso surgidas ao longo da história do Cietec. Na sequência de palestras do dia, foram abordados temas de diversas áreas do conhecimento, como: bioeconomia, tecnologias disruptivas, sustentabilidade no empreendedorismo, engenharia educacional, realidade virtual, aumentada e mista, Internet das Coisas e humanos e robôs. O último dia do evento ampliou o leque de assuntos, com palestras sobre medicina personalizada, biologia sintética com cell-free, nanotecnologia, pensamento computacional e inclusão, remédios digitais e ambientes inteligentes.

Um dos destaques do Expocietec foi a palestra “Lei da Informática via Fundos de Investimento”, ministrada pelo coordenador-geral de Ambiente de Negócios do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Sérgio Alves, abordando a nova regulamentação apresentada pelo MCTIC, há duas semanas. “Trata-se de uma alteração dada à Lei da Informática para viabilizar a formação de fundos de investimentos em participação. Com recursos de empresas beneficiárias da lei, tais como: fabricantes de hardware e empresas de base tecnológica. De ambientes como este aqui que surgirão as empresas que serão investidas com a nova modalidade de recursos da Lei da Informática”, afirma Alves.

O ciclo de palestras foi encerrado com a participação da Prof. Geciane Porto, vice-coordenadora da Agência USP de Inovação que apresentou um panorama das atividades da agência, responsável pela interação da USP com a sociedade, em diversos campos, como transferência de tecnologia e incentivo à inovação e ao empreendedorismo.

Segundo Sergio Risola, diretor-executivo do Cietec, a Expocietec trouxe excelentes resultados para as empresas participantes. “Nossas startups estão muito felizes com os resultados de negócios gerados durante o evento. Além disso, ficamos impressionados com a qualidade das palestras e dos pitchs que tivemos”, afirma Risola.

Promovido pelo Cietec, a III Expocietec teve o apoio da FAPESP, CAPES e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, e das empresas Biolab, ClarkeModet e Everis.

Sobre o Cietec

O Cietec – Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia, fundado em abril de 1998, tem como missão incentivar o empreendedorismo e a inovação tecnológica por meio da criação, fortalecimento e a consolidação de empresas de base tecnológica. O Cietec apoia a transformação de conhecimento em produtos e serviços para o mercado, a inserção no ecossistema de inovação, a capacitação técnica e de comercialização, contribuindo para o aumento da competitividade no Brasil. O Cietec é a entidade gestora da Incubadora de Empresas de Base Tecnológica USP/IPEN, onde são conduzidos processos de incubação de empresas inovadoras, em diferentes níveis de maturidade. Nesses processos, são oferecidos serviços de apoio para demandas nas áreas de gestão tecnológica, empresarial e mercadológica, aproximação com o investimento-anjo, capital semente e venture capital, recursos de fomento público, além de infraestrutura física para a instalação e operação dessas empresas.

POR AUSPIN