Notícia

Folha de S. Paulo

Trabalhou na Fapesp e cedeu corpo para estudo de doença

Publicado em 05 abril 2019

Por Júlia Zaremba
SÃO PAULO Rosely sempre foi a mais estudiosa da família. Até gostava de brincar com os dois irmãos quando era criança, mas o verdadeiro hobby era a leitura. Cultivou o hábito até a maioridade e tornou-se pesquisadora da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) logo após se formar assistente social. Completaria 40 anos de carreira no órgão de fomento à ciência em 2 de abril. Começou como recepcionista e chegou ao cargo de gerente de importação e exportação em 2015. A atuação de Rose foi decisiva [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.