Notícia

B2B Magazine

TI na segurança Pública

Publicado em 01 julho 2005

O que pode haver em comum entre tecnologia e melhoria da segurança pública?
Em primeiro lugar, modernizar a segurança pública é adotar novos métodos de gestão que resultam em aumento de produtividade e qualidade de serviço.
Hoje, o conceito de policiamento eficaz é o de uma polícia preventiva e não mais opressiva e, quando se fala em prevenção propriamente dita, fala-se do trabalho de pesquisa, do conhecimento e aproveitamento das estatísticas e si comparações, do trabalho antecipado aos fatos, do princípio oportunidade da ocupação dos espaços e, mais do que isso, da necessidade da informação oportuna e de qualidade. Sem informações não se caminha para lugar certo. A única forma de integrar todos esses processos é investir em tecnologia, atualizando equipamentos de informação e comunicação, e aplicar recursos no treinamento de pessoal para se tirar o máximo proveito dessa ferramenta.
Canadá e Nova York são ótimos exemplos nesse sentido. No Brasil, o Estado de São Paulo vem se destacando no que diz respeito à melhoria da segurança pública. o 'Jardim Ângela é o maior e mais bem-sucedido exemplo de que sociedade civil e governo podem ser ótimos parceiros.
Considerado pela ONU, em 1996, o lugar mais perigoso do planeta, foi noticiado, no início deste mês, um recorde de 45 dias sem nenhum homicídio no distrito. Vale dizer que grande parte desse resultado deve-se à sociedade civil.
Com investimento em sua infra-estrutura, a polícia soube onde, quando e como atuar. Também houve mobilização por parte da própria comunidade, de ONGs, e até do Ministério Público para que fossem criados programas para cuidar de crianças e jovens, oferecendo-lhes reforço escolar e cursos profissionalizantes. A Universidade Federal de São Paulo criou um centro para a prevenção e tratamento do abuso de álcool e de drogas, bares foram fechados mais cedo, escolas estaduais e municipais levaram os temas ligados à violência para dentro das salas de aulas, algumas praças foram reformadas, espaços abandonados transformaram-se em áreas de lazer, esporte e cultura.
Elaborar estratégias que permitam incluir jovens em atividades relacionadas à economia digital diminuem os abismos sociais, pois estarão incluídos na mesma cultura, usando a mesma linguagem que outras frações sociais às que aspiram pertencer, além de ser mais atrativo ter uma atividade econômica relacionada à tecnologia da informação do que uma relacionada à manufatura ou comércio.
os telecentros públicos são as principais ferramentas para que essas transformações aconteçam. O distrito também vem sendo atendido por
programas de renda mínima da prefeitura de São Paulo, diminuindo assim o desemprego e encaminhando adultos ao mercado de trabalho. Ainda considerado um bairro violento, o Jardim Ângela iniciou o aprendizado e acumulou conhecimento sobre prevenção da violência, e podemos dizer que ali não se formou apenas uma escola e, sim, uma universidade anticrime, para a qual o País precisa prestar vestibular.
Florencia Ferrer é diretora-presidente de FF Pesquisa & Consultoria e coordenadora do Ned-Gov 

Colaborou neste artigo Bete Costa, diretora administrativa de FF Pesquisa & Consultoria wwwflorenc com.br