Notícia

Revista Brasileira de Risco e Seguro

Terra pode apresentar climas completamente diferentes até 2100

Publicado em 27 março 2007

De acordo com estudo realizado por grupos de pesquisadores norte-americanos que acaba de ser divulgado, se o aquecimento global prosseguir no mesmo ritmo, muitos dos diferentes climas do planeta poderão desaparecer, dando lugar a climas atualmente inexistentes, com aumento do risco de extinções e outros eventos ecológicos.
A equipe liderada por John Williams, do Departamento de Geografia da Universidade de Wisconsin, procurou estimar o risco de aparecimento ou desaparecimento de climas até o ano de 2100, utilizando modelos globais e projeções de emissões de gases estufa divulgadas em fevereiro pelo Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês).
Os pesquisadores concluíram que, tanto em cenários de baixas emissões quanto nas piores projeções, muitas regiões poderiam ser submetidas a mudanças na escala dos biomas. O trabalho será publicado esta semana no site e posteriormente na versão impressa dos Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas).
As regiões tropicais e subtropicais poderão ganhar climas nunca registrados, com mudanças mais radicais nas florestas tropicais da Amazônia e da Indonésia. Áreas como o sudeste dos Estados Unidos e a península Arábica também seriam afetadas.
De acordo com o estudo, os climas atuais podem desaparecer completamente nas montanhas tropicais e regiões polares, como os Andes peruanos e colombianos, a Sibéria e o sul da Austrália. No pior cenário, até 48% da superfície do planeta ficaria com novos climas. No melhor cenário, as projeções são de 20%.
As regiões que enfrentariam completo desaparecimento do clima atual correspondem às que foram recentemente identificadas como áreas prioritárias para conservação da biodiversidade. Com isso, as soluções habituais de conservação poderiam fracassar na tentativa de proteger a biodiversidade desses locais.
Os modelos obtidos indicaram que a Amazônia é uma área que corre riscos especiais, podendo perder vastas áreas de florestas e ficando submetida a incêndios freqüentes. "O potencial para surpresas ecológicas nos trópicos aumenta a urgência dos atuais esforços de conservação", afirma o estudo.
O artigo Projected distributions of novel and disappearing climates by 2100 AD, de John W. Williams e outros, pode ser lido por assinantes da Pnas em www.pnas.org.

Fonte: Agência Fapesp