Notícia

Jornal da Unesp online

Tecnologia

Publicado em 01 janeiro 2008

Por Daniel Patire e Danilo Koga

Finep premia empresas spin-off do IQ


Nanox S/A ficou em primeiro lugar e Ângelus recebeu menção honrosa em avaliação da agência federal

Empresas spin-off ligadas ao Instituto de Química (IQ), câmpus de Araraquara,  a Nanox S/A e a Ângelus Indústria de Produtos Odontológicos se destacaram na edição de 2007 do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica. A Nanox obteve o primeiro lugar na categoria Pequena Empresa na Região Sudeste, enquanto a Ângelus recebeu a menção honrosa representando a Região Sul. A cerimônia de entrega das premiações ocorreu no dia 12 de dezembro, em Brasília (DF), com a presença, entre outras autoridades, do vice-presidente José Alencar e do ministro da Ciência e Tecnologia Sérgio Resende.

Spin-off são empresas nascidas de grupos ligados a uma instituição de pesquisa. "Por intermédio de parcerias como essas, a universidade pública repassa suas descobertas para a sociedade", assinala José Arana Varela, pró-reitor de Pesquisa da UNESP.

"A premiação mostra que estão nascendo empresas de altíssimo poder de inovação tecnológica dentro da Universidade."

Especializada em novos materiais, como revestimento de superfícies para a esterilização de aço inox, a Nanox foi premiada pelo desenvolvimento de um secador de cabelos produzido a partir de nanopartículas de titânio. Com sede em São Carlos (SP), a empresa foi fundada por Luiz Gustavo Simões, doutorando do IQ, em sociedade com Daniel Minozzi e André Araujo, mestrandos da Faculdade de Ciências (FC), câmpus de Bauru. A Ângelus, localizada em Londrina (PR), produz materiais odontológicos inovadores.


Importância do Centro

Para Simões, o prêmio valoriza empresas que investem grande parte do seu faturamento em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), como é o caso da Nanox, que destina a essa atividade 90% do que ganha com seus produtos. "Firmamos parcerias com instituições da categoria da Petrobrás", afirma o doutorando. "Essa premiação é a chancela que precisávamos para dar início ao processo de internacionalização da empresa na condição de fornecedores de alta tecnologia", acrescenta Araujo.

A Nanox e a Ângelus mantêm-se ligadas ao Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), que tem a sua sede no Laboratório Interdisciplinar de Eletroquímica e Cerâmica (Liec) do IQ. O CMDC é composto por 120 pesquisadores de quatro instituições públicas — UNESP, USP (Universidade de São Paulo), câmpus de São Carlos, Ufscar (Universidade Federal de São Carlos) e Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares.

O Centro é mantido pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). "Esse prêmio demonstra a importância da interação entre a universidade e uma empresa spin-off na confecção de produtos de alta tecnologia com elevado valor agregado", comenta Élson Longo, diretor do CMDMC e docente do IQ.

Segundo Vera Marina da Cruz, coordenadora nacional do prêmio, o número e a qualidade dos projetos aumentam a cada edição — no ano passado, foram registradas 732 inscrições. "Por isso, o júri faz uma seleção criteriosa e, em 2007, tivemos um julgamento bem concorrido", comenta.

O Prêmio Finep de Inovação Tecnológica visa identificar e premiar as empresas e laboratórios voltados para a pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. É realizado em duas fases, a regional e a nacional. Na primeira, que ocorre nas cinco regiões do País — Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul —, são selecionados os cinco concorrentes ao Prêmio Nacional.