Notícia

A Cidade (Ribeirão Preto)

TCC pode resultar em bons negócios

Publicado em 22 dezembro 2005

Por Da reportagem

Ao observar a falta de sincronia entre os semáforos nas ruas e avenidas da Cidade, os ex-alunos de Engenharia da Computação da Universidade Santa Cecília (Unisanta) Marcus Adriano da Silva, Marco Antônio de Jesus e Marcus Felipe Fernandes Lisboa criaram o projeto de um software que padroniza o funcionamento de vários equipamentos.
''O objetivo é evitar que os motoristas parem a cada 200 metros, em cada semáforo'', explicou Silva. Intitulado Siscow, o software, que foi o tema do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos ex-alunos, adapta os semáforos aos horários de grande movimento de veículos e funciona sem o uso de fios.
A criação do Siscow é um dos 33 projetos que compõem a 2ª Mostra de Trabalhos de Conclusão de Cursos, intitulada Neorama, que termina hoje na Incubadora de Empresas de Santos. Os TCCs foram selecionados pelas próprias instituições, entre os milhares de trabalhos produzidos este ano nas universidades. A Neorama tem por objetivo a divulgação dos projetos de recém-formados, direcionada a empresários de vários setores.
Na exposição, banners trazem a descrição de projetos ousados como o Domótica, aparelho que reproduz ações desencadeadas pela voz de deficientes físicos. Há ainda um veículo para coleta seletiva padronizado, produzido a partir de uma pesquisa com carrinheiros de Santos, e a criação do Núcleo de Apoio ao Jovem Estagiário (Naje).
Outro trabalho selecionado este ano, de autoria das alunas Aline Trindade e Nataly Oliveira, do curso de Farmárcia da Universidade Católica de Santos (UniSantos), propõe a criação do VitBloq, um bloqueador solar para pessoas portadoras de vitiligo, doença que provoca manchas brancas na pele.
O produto é feito à base de camomila e também tem efeito medicinal, além de cobrir as manchas. ''O produto tem quatro tonalidades para peles de diversas cores. Isso minimiza o constrangimento dessas pessoas'', destacou Aline.

Empreendedores
Alguns empreendedores de hoje são a prova de que o TCC pode ser a porta de entrada para o mercado de trabalho. A empresária Selma Cabral se formou em 2001 no curso de Turismo do Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte) e resolveu levar seu projeto adiante, que objetiva a criação da Estação do Turismo.
Ela é um dos primeiros frutos da Incubadora de Empresas. ''Ficamos três anos atuando em um espaço na incubadora e agora estamos mudando para um local próprio'', disse. A Estação do Turismo presta consultoria a empresários do ramo, como hoteleiros e donos de agências de viagens, além de trazer profissionais para ministrar palestras em Santos.
Já o engenheiro de computação Humberto Ribeiro de Souza resolveu colocar em prática seu projeto desenvolvido na faculdade, para a criação de um sensor que mede a velocidade de um nadador em tempo real. Ele verificou que o equipamento é inédito no mercado e apresentou o projeto à incubadora, que acolheu a idéia e hoje abriga as pesquisas do engenheiro.
Ribeiro também tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que também oferece bolsas de estudo para estagiários trabalharem no projeto.

Oportunidade
Para a secretária municipal de Planejamento, Débora Blanco, a Neorama pretende dar oportunidade aos autores dos projetos em exposição para que abram uma empresa e desenvolvam a idéia do TCC na incubadora.
''Os autores dos trabalhos podem apresentar o projeto à incubadora, que analisará a viabilidade'', explicou a secretária. Caso seja considerado viável, o futuro empresário participa de um Plano de Negócios do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com o qual terá noções de administração e marketing.
O curso habilita o candidato a ingressar na incubadora, onde terá um espaço, durante um período médio de três anos, para desenvolver pesquisas e prospectar clientes. Em troca, pagará somente as despesas por meio de rateio com as outras empresas que funcionam no local. ''Depois, o empresário estará preparado para atuar no mercado'', explicou a secretária.
Ela lembrou que da primeira mostra, realizada no ano passado, participaram somente 15 trabalhos. ''Quatro deles foram considerados viáveis e estão na fase da pré-incubação''. A mostra pode ser visitada até hoje, das 9 às 18 horas, na Rua do Comércio, 48, no Centro.