Notícia

JC e-mail

Supercomputador vai simular clima até 2070

Publicado em 01 julho 2011

Do JC Online

Um convênio do Laboratório de Meteorologia de Pernambuco (Lamepe) com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) vai permitir que seja realizado um levantamento dos cenários futuros do comportamento climático do Estado nas próximas décadas. A simulação será realizada pelo supercomputador do Inpe, batizado de Tupã e considerado o mais rápido do Hemisfério Sul. A iniciativa possibilitará fazer a simulação de como vão se comportar as chuvas em Pernambuco até o ano de 2070. Também será possível demonstrar antecipadamente o respectivo comportamento da temperatura, umidade relativa do ar e outras variáveis meteorológicas para o período. Os primeiros resultados começarão a ser divulgados no próximo ano.

Para a coordenadora do Lamepe, Francis Lacerda, a ação vai auxiliar o poder público a realizar ações de prevenção de desastres. "Essas simulações colaborarão para auxiliar na prevenção de ações públicas frente aos impactos das mudanças climáticas em Pernambuco", garante.

Os cenários futuros demonstrarão, ainda, segundo o Lamepe, quais os impactos da alteração do clima na caatinga e nas atividades agrícolas do Estado, além dos efeitos das variações da temperatura e chuva no processo de desertificação, segurança alimentar e hídrica, saúde humana, entre outros temas. O nível futuro do avanço do mar é outro experimento que será gerado no supercomputador.

"Os experimentos anteciparão como ficará o clima e mostrarão as respectivas conseqüências com as alterações", explicou a coordenadora do Lamepe. Segundo ela, serão apresentadas simulações década por década - 2020, 2030, 2040 até 2070.

Atualmente, apenas o Laboratório de Meteorologia de Pernambuco e a Universidade de São Paulo mantêm uma conta exclusiva para utilização do supercomputador Tupã. "Pernambuco, por meio do Lamepe, é o primeiro laboratório de meteorologia do País a utilizar o supercomputador", destacou Francis Lacerda, que destacou que a parceira só foi possível por meio do Estudo das Mudanças Climáticas e seus Impactos em Pernambuco, projeto desenvolvido pelo Lamepe em parceria com o Ministério de Ciência e Tecnologia, em 2008.

Fabricado pela empresa americana Cray e inaugurado em 2010, Tupã, um computador do modelo XT6, é capaz de realizar 258 trilhões de cálculos por segundo.

Adquirido com recursos do Ministério da Ciência e Tecnologia e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), está entre os mais poderosos supercomputadores do mundo para previsão de tempo e estudos em mudanças climáticas.

Instalado no Inpe da cidade de Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo, atende aos centros de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos e de Ciência do Sistema Terrestre do próprio instituto.

De acordo com o Inpe, a máquina tem papel fundamental no desenvolvimento e implementação do Modelo Brasileiro do Sistema Climático Global, que incorporará todos os elementos do Sistema Terrestre (atmosfera, oceanos, criosfera, vegetação, ciclos biogeoquímicos) e como este sistema está sendo perturbado por ações antropogênicas, como emissões de gases de efeito estufa.