Notícia

Gazeta de Alagoas

Supercomputador para estudos

Publicado em 02 janeiro 2011

Por Gerson Monteiro

Agência Estado

Cachoeira Paulista, SP - Já está funcionando o novo supercomputador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), capaz de realizar 258 trilhões de cálculos por segundo. Batizado de Tupã, o equipamento amplia em 50 vezes a capacidade do País no processamento de estudos climáticos, colocando o Brasil em destaque no cenário internacional.

Instalado em Cachoeira Paulista, a 206 quilômetros de São Paulo, o supercomputador vai permitir que setores como transporte e agricultura possam trabalhar com planejamento, uma vez que o sistema atual não tinha tanta precisão em relação a fenômenos extremos, como chuvas intensas, secas e geadas.

Segundo Gilvan Sampaio, pesquisador do Inpe, o novo sistema terá aplicação regional atendendo toda a América do Sul, já que os centros-de pesquisas climáticas do exterior não oferecem esse serviço.

Para Carlos Henrique Cruz, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o supercomputador `é o olhar global do ponto de vista dos brasileiros`.

O supercomputador vai atender pesquisas que envolvam oceanos, superfície terrestre e química da atmosfera. `Será possível analisar, por exemplo, a temperatura da superfície do mar, a espessura do gelo na Antártida`, explica Sampaio. Um dos responsáveis pelo projeto, o pesquisador do Inpe Carlos Nobre, diz que o Tupã era a infraestrutura que faltava para o Brasil em termos de pesquisa, já que o País sempre dependeu do exterior. `É fundamental para o planejamento estratégico em desenvolvimento sustentável`.

Para Gilberto Câmara, diretor do Inpe, pela primeira vez o Brasil investiu recursos próprios, sem financiamento estrangeiro, com valor total de R$ 50 milhões, sendo R$ 35 milhões do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e R$ 15 milhões da Fapesp.

O contrato de convênio prevê a abertura de espaço para grupos de pesquisa, instituições e universidades integrantes da Rede Brasileira de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas (Rede Clima) utilizarem o supercomputador. `Precisamos ter instituições para usar todo o recurso disponível`, disse o diretor do Inpe, durante a solenidade oficial de inauguração do equipamento.

Estudos como a simulação de 200 anos estão programados para serem realizados até junho de 2011.