Notícia

O Tempo

Suco com tecnologia americana

Publicado em 19 janeiro 2007

Os Estados de São Paulo e da Flórida (EUA), maiores produtores mundiais de laranja para suco, vão ter um sistema conjunto de estimativa de safra, desenvolvido por entidades públicas brasileiras e norte-americanas, informou a Agência Fapesp.
Pesquisadores da Empresa Brasileira de Agropecuária (Embrapa) e da Universidade da Flórida, nos Estados Unidos, implantarão o sistema, que deve ser testado até meados deste ano, para estimar a produtividade das atividades de citros.
São Paulo produz 360 milhões de caixas da fruta, de acordo com o Instituto de Economia Agrícola (IEA), e cerca de 300 milhões são destinadas ao processamento. Já a Flórida produz 140 milhões de caixas, segundo estimativa do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).
De acordo com João Camargo Neto, pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária em Campinas (SP), o levantamento de produtividade era feito, até agora, com base em método estatístico. As duas instituições desenvolviam, separadamente, sistemas que melhoravam a metodologia, com o uso de imagens de satélite para contar pés de laranja.
"Os projetos tinham objetivos comuns. Percebemos que, trabalhando juntos, poderíamos unir as vantagens dos dois e usá-los tanto na Flórida quanto aqui", informou Camargo.
O sistema brasileiro foi desenvolvido em parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e o Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
"As tecnologias de geoprocessamento que desenvolvemos fazem um levantamento do número de pés de laranja com o auxílio de imagens de satélite. A metodologia também fornece dados climáticos e identifica a espécie da planta e a produtividade do último ano", disse Camargo.
O protótipo, feito em 2006, estima o número de pés e o diâmetro da copa das árvores, disponibilizando um parâmetro para medir a produtividade. O sistema dos Estados Unidos foi desenvolvido no Centro de Educação e Pesquisa em Citros da Universidade da Flórida.
A diferença é que a metodologia para contar os pés de laranja é baseada em um sistema de geoprocessamento não adaptado para a utilização específica em laranjais. (Agência Estado)

Ministério da Agricultura interdita fazenda
Ribeirão Preto - A propriedade rural interditada pelo Ministério da Agricultura em Fronteira (MG) é um quintal em que havia apenas duas plantas contaminadas com cancro cítrico. A identificação da doença aconteceu em 21 de janeiro e a erradicação em 9 de fevereiro de 2006.
Em nota divulgada no final da tarde da última quarta-feira, o ministério informou que, para evitar a disseminação do cancro cítrico, doença devastadora que ataca todas as variedades e espécies de citros, foi determinada a interdição da propriedade rural. Fronteira tem casos de cancro cítrico desde 1998 e as fiscalizações da doença em áreas urbanas se intensificaram em 2002, o que contribuiu para a redução dos registros nos pomares de São Paulo e Minas Gerais, onde se concentra o maior parque comercial citrícola do mundo.
Quando detectada a doença, uma área da propriedade próxima ao foco é interditada até que haja a notificação e a erradicação. Todos os casos são informados ao Ministério da Agricultura e publicados no "Diário Oficial da União".
O Ministério, no entanto, não informou, na nota divulgada, o motivo de a publicação ocorrer quase um ano depois da erradicação das plantas.
Até outubro do ano passado, em 3.649 residências, foram encontradas e erradicadas 11.049 plantas com cancro cítrico De acordo com o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), há um ano não é registrada ocorrência em Fronteira, mas a área só será livre dois anos após a interdição sem novo foco.(Agência Estado)