Notícia

Teoria Literária Uniandrade

Sua Incelença, Ricardo III: Shakespeare em diálogo com o imaginário cultural nordestino

Publicado em 26 março 2019

Por Anna Stegh Camati (UNIANDRADE) e Liana de Camargo Leão (UFPR)

O grupo de teatro potiguar[1] Clowns de Shakepeare, com sede em Natal, Rio Grande do Norte, tem trabalhado de forma colaborativa desde 1993. O nome da trupe foi inspirado no poema “Poética”, de Manuel Bandeira, um manifesto da poesia modernista brasileira, no qual o “eu” lírico confessa seu anseio pela liberdade de expressão exercida pelos clowns shakespearianos. Esse desejo de romper com formas acadêmicas tradicionais torna-se a bandeira do grupo que decide eleger o lirismo clownesco como elemento principal de suas montagens.

Sonho de uma noite de verão (1993), Noite de Reis (1994), A megera do nada (1996 – título proposto para A megera domada) e Muito barulho por quase nada (2003 – novo título para Muito barulho por nada) fazem parte do repertório de apresentações do grupo Clowns. Em 2010, uma releitura intercultural da peça Ricardo III (1592-1593), rebatizada Sua Incelença, Ricardo III[2], foi realizada como um projeto de risco, visto que as peças históricas têm a reputação de serem pouco palatáveis para plateias populares no Brasil. No entanto, essa produção, dirigida por Gabriel Villela, encenador conhecido e premiado em âmbito nacional e internacional, foi muito bem sucedida, proporcionando ao grupo reconhecimento por parte do público e da crítica.

Com a crescente valorização das linguagens artísticas populares, o grupo Clowns de Shakespeare privilegia a estética de cena híbrida que combina e funde o lirismo da poesia dramática shakespeariana com música e dança. A música já é anunciada no título do espetáculo: o vocábulo “incelença” encerra um trocadilho que o aproxima da tradição shakespeariana: além de remeter aos tradicionais cantos fúnebres do sertão nordestino, também inclui o sentido de Sua Excelência, título honorífico utilizado desde os tempos do Brasil Império e até hoje empregado em nosso país para referir-se a autoridades, generais e políticos do alto escalão.

O espetáculo é levado à cena em um picadeiro de circo estilizado, montado em lugares públicos, com três carroças ciganas, utilizadas como espaços de representação. Ao eleger uma arena circense, que permite a introdução de elementos farcescos e grotescos no espetáculo – já configurados, de uma maneira mais discreta, no texto de Shakespeare – o grupo Clowns consegue estabelecer a atmosfera e o tom adequados para ambientar o “circo de horrores” engendrado por Ricardo. O mote shakespeariano "O mundo todo é um palco" é transformado em “O mundo todo é um grande picadeiro” (Figura 1).

¹O adjetivo potiguar remete a pessoas que nasceram ou vivem no estado do Rio Grande do Norte. A denominação remonta ao nome de uma tribo tupi que habitava regiões litorâneas do Nordeste.

² A versão completa e videoclips do espetáculo Sua Incelença, Ricardo III estão disponíveis no acervo digital Global Shakespeares http://globalshakespeares.mit.edu/ricardo-3-villela-gabriel-2011/

Entende-se por farsa uma forma de comédia com a apresentação de situações que pendem para um cômico “grotesco e bufão, um riso grosseiro e um estilo pouco refinado” (PAVIS 1999: p. 164). Apesar de não ter escrito farsas, Shakespeare escreveu comédias que podem ser encenadas de modo farcesco, dentre elas A comédia dos erros (1594) e A megera domada (1596). Nas peças históricas, o farcesco se manifesta na criação da figura de Falstaff, um personagem glutão, fanfarrão e cheio de vícios e, em menor escala na caracterização do personagem-título de Ricardo III, apontada por diversos críticos como derivada do Vício medieval ³. Acreditamos ser provável que a ênfase no farcesco na composição do Ricardo brasileiro se originou a partir desse tipo de comentários da crítica shakesperiana.

³Bernard Shaw (1906) e outros críticos, como A. P. Rossiter (1961) e Bernard Spivack (1958), apontaram que a peça histórica de Shakespeare se aproxima da comédia farcesca, em virtude do caráter caricato de Ricardo, derivado do Vício medieval. Shaw comparou Ricardo com Punch, um fantoche do tradicional teatro popular de marionetes "Punch e Judy” que diverte a plateia, mas é incapaz de atingir a profundidade e o pathos exigidos de um protagonista trágico (SHAW, 2013, p. 130-131).

O grupo Clowns de Shakespeare objetiva desmistificar e popularizar Shakespeare no espaço da rua, um locus privilegiado para reciclagens e negociações culturais.

Nesse sentido, para adequar seus espetáculo a plateias que transitam em espaços públicos, a trupe potiguar trabalha com gêneros, formas e estilos variados, como as gags e as grotesquerias do circo e do circo-teatro; as máscaras e as técnicas farcescas herdadas da commedia dell’arte; a apropriação e a reinvenção cênica do cordel; a mímica e o teatro de bonecos; a adaptação de técnicas experimentais mais sofisticadas herdadas de teatrólogos como Bertolt Brecht, Jerzy Grotowski, Augusto Boal e Eugenio Barba; a reconfiguração de convenções cênicas elisabetanas, dentre elas o travestimento; e a musicalização da cena que assume importantes funções expressivas e narrativas na transposição cênica. Essas estratégias são enriquecidas pela estética barroca de Villela que prima pelo excesso e o contraste de cores encontrado nos inúmeros objetos de cena, nos adereços, nos figurinos e nos cenários. Deste modo, Villela propõe um diálogo profícuo entre os bordados e apliques do interior de Minas Gerais, estado onde nasceu; o couro e os elementos do cangaço do sertão nordestino, região a que pertence o grupo de atores; e a cultura pop dos óculos ray ban do mundo contemporâneo. É na arena estilizada do circo que estes elementos díspares se encontram e festejam a liberdade da criação teatral.

Neste ensaio, com base em postulados teóricos contemporâneos, discutiremos o abrasileiramento de Ricardo III, visto ser Sua Incelença, Ricardo III uma apropriação regional realizada pela trupe Clowns de Shakespeare, por meio da inserção na cena de elementos do imaginário cultural do sertão nordestino, dentre eles o cangaço, a literatura de cordel e as incelenças. Objetivamos, ainda, evidenciar que a trupe utiliza unicamente o texto Ricardo III, traduzido por Anna Amélia Carneiro de Mendonça, como base do roteiro cênico. Apesar de algumas passagens terem sido substituídas por músicas do pop rock inglês ou do cancioneiro popular nordestino, e outras traduzidas em versos de cordel, aproximadamente 30% do texto de Shakespeare é mantido, com falas encurtadas ou sincopadas. As 3.609 linhas da peça histórica são reduzidas a cerca de 1.000 linhas, porém os principais solilóquios de Ricardo são preservados quase na íntegra, como veremos mais adiante. Em nossa análise da musicalização da cena, ilustraremos como se dá a integração entre texto, música e mise en scène.

Referências

BURKE, P. Hibridismo cultural. Trad. Leila Souza Mendes. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2006.

CLOWNS DE SHAKESPEARE. Sua Incelença, Ricardo III. 2011. Gravação em vídeo do espetáculo. Disponível em: .

HOBSBAWN, E. J. Bandits. London: Weidenfeld and Nicholson, 2000. JORGENS, J. J. Shakespeare on Film. London and New York: University Press of America, 1991.

JUNG, C, G. O homem e seus símbolos. Trad. Maria Lúcia Pinho. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

LEAL, V. N. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LEHMANN, H. T. Teatro pós-dramático. Trad. Pedro Süssekind. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LINS. D. S. Lampião: O homem que amava as mulheres. São Paulo: Annablume, 1997.

MELLO, F. P. Estrelas de couro: a estética do cangaço. 2ª. ed. São Paulo: Ed. Escrituras, 2012.

PAVIS, P. Dicionário de teatro. Trad. J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. São Paulo: Perspectiva. 1999.

_____. Por uma especificidade da tradução teatral: a tradução intergestual e intercultural. In: PAVIS, P. O teatro no cruzamento das culturas. Trad. Nanci Fernandes. São Paulo: Perspectiva, 2008, p.123-154.

PERICÁS, L. B. Os cangaceiros. Ensaio de interpretação histórica. São Paulo: BoiTempo Editorial, 2010.

PICON-VALLIN, B. A cena em ensaios. Trad. Fátima Saadi, Cláudia Fares e Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Perspectiva, 2008.

PRESCOTT, P. Richard III: A Guide to the Text and its Theatrical Life. London: Palgrave Macmillan, 2006.

RAJEWSKY, I. O. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. Trad. Isabela Santos Mundim. In: DINIZ, T. F. N.; VIEIRA, A. S. (orgs.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea, v. 2. Belo Horizonte: Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários/ Faculdade de Letras da UFMG, 2012, p. 51-73.

ROSSITER, A. P. Angel with Horns and Other Shakespearean Lectures. Edited by Graham Storey. London: Longman, 1961.

SANTOS, E. C. Uma história de vida e uma vida de histórias: memória e oralidade no romanceiro de D. Militana. Imburana – revista do Núcleo Câmara Cascudo de Estudos Norte-Rio-Grandenses/UFRN, n. 1, 40-76, fev. 2010.

SHAKESPEARE, W. Henrique V.Trad. Barbara Heliodora. In: William Shakespeare – Teatro completo. Volume 3: Peças históricas. São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2016, p. 357-475.

_____. Ricardo III. Trad. Anna Amélia de Queiroz Carneiro de Mendonça. In: William Shakespeare – Teatro completo. Volume 3: Peças históricas. São Paulo: Editora Nova Aguilar, 2016, p. 1055-1207.

SHAW, B. Dramatic Opinions and Essays by G. Bernard Shaw. Vol. 2. 1906. Reprint. London: Forgotten Books, 2013.

SPIVACK, B. Shakespeare and the Allegory of Evil. New York: Columbia University Press, 1958.

TRAGTENBERG, L. Música de cena: dramaturgia sonora. São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 1999.

VASSALO, L. M. P. O sertão medieval: origens europeias do teatro de Ariano Suassuna. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1993.

YAMAMOTO, F. Roteiro cênico de Sua Incelença, Ricardo III. 2011. Manuscrito não publicado do texto do espetáculo. (Arquivo em formato word). 18 p.

[1] A versão completa desse artigo foi publicado na revista Scripta Uniandrade, v. 16, n. 3, p. 230-251, 2018.

Disponível em: https://uniandrade.br/revistauniandrade/index.php/ScriptaUniandrade/article/view/1055/940

? Professora do Mestrado em Teoria Literária da UNIANDRADE.

Professora do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas da UFPR.