Notícia

Central das Notícias

Startup brasileira desenvolve tecnologia que prevê ataques epiléticos

Publicado em 02 fevereiro 2020

Por Pedro Katchborian, colaboração para Tilt

Ao prever o ataque epilético, quem sofre com a condição pode ter mais qualidade de vida. Sabendo com antecedência que a crise está por vir, a pessoa pode buscar ajuda ou se colocar em segurança. É com esse objetivo preventivo que a startup Epistemic está trabalhando. A empresa está criando um dispositivo que prevê convulsões com cerca de 25 minutos de antecedência.

O dispositivo funciona com dois eletrodos não-invasivos, que ficam colados na cabeça do paciente e conectados a um smartphone. Eles analisam padrões das ondas cerebrais em tempo real. Se houver alteração, pode ser um sinal de possível convulsão a caminho. Então, nesse momento, é dado o alerta.

Em suas pesquisas, a Epistemic observou que os alertas ocorriam entre 15 e 25 minutos antes da convulsão. Uma crise é facilmente identificável em um eletroencefalograma no momento em que ela acontece.

Além de avisar o próprio paciente, um cuidador ou responsável também é alertado. Até agora, testes mostraram eficiência de 90%.

A pesquisa da Epistemic já dura mais de sete anos. O método foi testado com sinais de diferentes pacientes com epilepsia.

Mais de 3 milhões de brasileiros vivem com a condição. Ao redor do mundo, são 60 milhões de atingidos.

O equipamento é apenas parte do trabalho da Epistemic, que também desenvolveu um diário de crises, em que os pacientes registram os surtos, gatilhos e os sintomas, tendo acesso a um relatório completo da epilepsia.

Ritmo diferente de outras startups

A Epistemic tem um ritmo diferente de outras startups de tecnologia. "O desenvolvimento leva muito mais tempo", diz Paula Gomez, uma das fundadoras da empresa. Enquanto a maioria das jovens companhias consegue (e precisa) colocar um produto rápido no mercado, a Epistemic está na ativa desde 2015, mas ainda não oferece os seus serviços.

Paula afirma que os testes e regulamentações influenciam no tempo de entrada no mercado — ainda mais com um dispositivo inédito. Até hoje, não há nenhum produto que consiga prever um ataque epilético. Outras duas tecnologias, do Embrace e do Sami, identificam quando o ataque já está ocorrendo.

A startup de São Paulo ainda estuda qual é o melhor modelo de negócio a ser seguido. No entanto, a ideia é que a Epistemic seja uma empresa de inteligência — e não fabrique de fato os dispositivos. "São equipamentos que precisam de várias certificações e é bom ter uma fábrica especializada para isso", diz Paula.

O pioneirismo e o intenso trabalho de pesquisa colocaram a Epistemic em evidência no cenário nacional — o que significou uma série de investimentos e prêmios. Um dos prêmios mais recentes que a startup recebeu foi a aceleração pelo programa Creative Startups, da Samsung, que oferece até R$ 200 mil para o desenvolvimento do produto. A Epistemic também tem apoio do CNPQ e da Fapesp.

Mesmo ainda sem faturamento, a Epistemic não precisou buscar ajuda de investidores.

Paula também já acumula alguns prêmios: em 2018, ela venceu o prêmio de empreendedorismo feminino Cartier Women's Iniciative Award.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
BOL UOL