Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

SOS Chuva vence prêmio Péter Murányi

Publicado em 06 fevereiro 2019

A Fundação Péter Murányi premiou, durante solenidade realizada ontem (05) em São Paulo, o Sos-Chuva (Sistema de Observação e Previsão de Tempo Severo), projeto e aplicativo desenvolvido INPE em parceria o Cepagri da Unicamp,com a Agência FAPESP, USP - Universidade de São Paulo e Defesa Civil Estadual.

A fundação premia trabalhos nas áreas de Educação, Saúde, Alimentação e Ciências & Tecnologia desde 2002. A edição de 2019 foi dedicado à categoria C&T. Houve 140 inscritos, sendo que os três melhores, de acordo com uma comissão avaliadora, foram apresentados, debatidos e votados nesta terça-feira.

De acordo com os organizadores, a premiação demonstra o quanto a comunidade científica está engajada na solução dos problemas enfrentados pela sociedade, levando em conta o seguinte tripé de critérios: inovação, aplicação prática e melhoria da qualidade de vida.

O trabalho vencedor desse ano, o SOS-Chuva, é um sistema de observação e previsão de tempo severo. Integra em tempo real informações de satélite, radares e simulações numéricas, disponibilizadas por meio de um aplicativo para instituições (como a Defesa Civil, governos municipais e centros de meteorologia), bem como para qualquer cidadão que baixe o aplicativo no celular. Ainda não está disponível em todos os lugares. É informação científica complexa disponibilizada para a população. E articular tudo isso em tempo real foi um grande desafio de inovação. O usuário pode agregar informações, como se fosse um Waze meteorológico. Resumidamente, permite que o usuário saiba onde está chovendo (e quanto), ocorrendo raios e onde choverá nos próximos minutos.

O segundo lugar ficou para um programa conduzido na #UFRGS: Desenvolvimento de Cultivares de Aveia para o Subtrópico. Nos anos 1970, o Brasil importava aveia, mas hoje exporta não só a aveia, mas os cultivares para Uruguai, Argentina, Índia e EUA. Desenvolvimento contínuo por mais de vinte anos, de melhoramento clássico a técnicas de biologia molecular.

O terceiro lugar ficou para projeto da #UFSC: Desenvolvimento de Medicamento (anti-inflamatório e analgésico) a partir de plantas. É o ciclo completo: do levantamento de plantas promissoras até a comercialização do medicamento. A parceria é com a Aché, ou seja, parceria universidade-empresa.

Reconhecimento

A premiação concedida pela Fundação Péter Murányi ao SOS-Chuva, além de gratificante, funciona como um bálsamo neste momento em que a situação do financiamento à ciência anda tão complicada no Brasil. A declaração é da meteorologista Ana Avila, pesquisadora do Cepagri e integrante da equipe que desenvolveu o projeto. “Considero este prêmio um importante reconhecimento ao trabalho desenvolvido coletivamente por especialistas de diversas instituições. O projeto é muito completo. Ele contempla deste o estado da arte nessa área do conhecimento até a aplicação dos seus resultados, que podem ser usados tanto por organismos como a Defesa Civil quanto pelos cidadãos em geral”, contextualiza a cientista.

Ana Avila assinala que o SOS-Chuva concorreu com outros 139 projetos, todos com alto grau de excelência. “Este tipo de distinção mostra que temos competência para realizar pesquisas de elevada qualidade no país. Também demonstra que a meteorologia ainda deve ocupar um grande espaço na agenda científica, principalmente por causa das mudanças climáticas em andamento e da maior frequência com que os eventos climáticos extremos vêm ocorrendo”.

O prêmio, prossegue a pesquisadora do Cepagri, tem ainda um caráter motivador. “Estamos no caminho certo. Muitas coisas foram desenvolvidas, mas outras tantas ainda precisam ser feitas. Precisamos pegar o que já foi realizado e melhorar e ampliar. Em 2016, por exemplo, ocorreram as microexcplosões em Campinas. É um fenômeno climático que precisamos estudar, para entender melhor como ele se forma e ocorre. Outro ponto que queremos avançar é o referente à linguagem, para que possamos atingir a população em geral e mostrar a ela a importância do investimento em ciência”, finaliza.

Para baixar, gratuitamente, o aplicativo: http://bit.ly/2ksPlgU

Mais sobre o assunto: http://bit.ly/2dKHXNk