Notícia

Envolverde

Softwares facilitarão a compreensão de textos na internet

Publicado em 19 outubro 2009

O Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC), da USP em São Carlos, trabalha no desenvolvimento de duas ferramentas computacionais que irão auxiliar o acesso à informação de pessoas com alfabetização deficiente ou com problemas de cognição. Os softwares Facilita (para o internauta) e Simplifica (para o autor) serão ferramentas para a simplificação automática de textos. "O Facilita vai resumir e simplificar a linguagem dos textos prontos para leitura, que estão na Web. Já o Simplifica, um sistema Web de autoria, será destinado a produtores de conteúdo, que poderão validar os textos revisados pelo sistema, e também terá a função de tornar a linguagem escrita mais fácil de ser entendida", descreve a professora Sandra Maria Aluísio, do Núcleo de Linguística Computacional (NILC) do ICMC. "A meta é tornar as informações mais acessíveis a pessoas com problemas de compreensão na leitura", explica.

Os dois sistemas estão sendo desenvolvidos no escopo do projeto PorSimples (Simplificação Textual do Português para Inclusão e Acessibilidade Digital), que foi selecionado na primeira chamada de Propostas de Pesquisa do Instituto Microsoft Research-Fapesp de Pesquisas em TI, em 2007. "A proposta tinha como foco soluções para o alto índice de analfabetos funcionais, pessoas que identificam letras e palavras, mas têm dificuldade para utilizá-las e compreender textos."

Acesso livre

Sandra acredita que pelo grande apelo social das duas ferramentas, ambas serão de acesso livre. "Uma das melhorias que ainda serão feitas nas duas ferramentas é a troca do parser — sistema que faz a análise sintática — utilizado nos protótipos, que é pago, por um de código livre", informa a pesquisadora.

Ela explica que as duas ferramentas poderão ser executadas em navegadores Web. "Isso as torna de simples acesso", garante. Para tanto, segundo ela, basta inserir no browser (navegador) o link do Simplifica. Isso permitirá o uso do editor mesmo sem ter o software instalado na máquina. "Já o Facilita é uma aplicação web (plug-in) que funciona como uma tecnologia assistiva de auxílio à leitura de conteúdos textuais disponíveis em páginas web", informa Sandra. Veja a seguir como o Facilita poderá ser utilizado num navegador Firefox:

1 - Assegure-se de que a visualização da barra de favoritos do Firefox esteja habilitada (Exibir - > Barras de Ferramentas - > Favoritos)

2 - Arraste o link do Facilita para a barra de favoritos do Firefox

3 - Acesse um determinado site que possua conteúdo textual disponível para leitura

4 - Selecione (com o mouse) o conteúdo textual que se deseja que seja Facilitado para leitura

5 - Clique no link que foi arrastado para a barra de favoritos de seu navegador

6 - Em seguida, o conteúdo Facilitado será apresentado

Os links do Facilita e do Simplifica estarão disponíveis na página do projeto, no endereço http://caravelas.icmc.usp.br/wiki/index.php/Principal. De acordo com a professora, os dois softwares ainda são protótipos. "Estão em constantes melhorias e, até abril de 2010, que é o final do projeto, serão acrescidas novas funcionalidades", afirma.

PorSimples

No projeto PorSimples, em que as ferramentas estão sendo desenvolvidas, o desafio é usar vários tipos de adaptações textuais, como a sumarização automática, a simplificação linguística e também a elaboração textual na medida adequada à necessidade de cada grupo de usuários alvos do projeto. "O objetivo é facilitar o acesso de alfabetizados nos níveis rudimentar e básico, principalmente, à informação", descreve Sandra. Entretanto, outros grupos podem se beneficiar das ferramentas como afásicos, dislexos, pessoas com Alzheimer, crianças em processo de letramento, dentre outros. Segundo ela, sentenças longas e com vários níveis de subordinação, cláusulas embutidas (relativas), sentenças na voz passiva, uso da ordem não canônica para componentes de uma sentença, além do uso de palavras de baixa frequência, aumentam a complexidade de um texto para leitores com problemas de compreensão.

A professora lembra que para a implementação dos softwares houve muito estudo. "Houve um trabalho de base com a criação de simplificações manuais por profissionais para entendermos esta tarefa, e a criação de recursos e ferramentas de apoio", conta Sandra. Para decidir quais seriam as palavras mais simples, os pesquisadores se basearam no Dicionário Ilustrado de Português, de Maria Tereza Camargo Biderman, da Editora Ática, e nas palavras mais frequentes do corpus NILC, criado no próprio laboratório do ICMC, no escopo do projeto do Revisor Gramatical ReGra.

O principal público alvo são os usuários com deficiências de leitura, via Facilita, e professores que usam textos da Web para ensino da leitura. "Os professores também podem usar o Simplifica, o editor de simplificação", lembra Sandra. Além do uso educacional dos softwares, a pesquisadora destaca que eles poderão ser utilizados por editoras, jornalistas, provedores de educação à distância, poder público, empresas que produzem manuais de instrução e usuários de linguagem jurídica, entre outros.

(Envolverde/Agência USP)