Notícia

Prefeitura Municipal de Campinas

Software que detecta interação medicamentosa recebe prêmio

Publicado em 04 setembro 2012

Por Diego Geraldo e Sérgio Oliveira

Um software que identifica a interação medicamentosa no ato da dispensação dos medicamentos aos pacientes nas unidades de saúde de Campinas ganhou o prêmio máximo na categoria experiência profissional do IV Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos, realizado em Salvador, entre os dias 12 e 15 de agosto.

Denominado de APM (Avaliação de Prescrição de Medicamentos), o software foi desenvolvido pela Informática de Municípios Associados S/A (IMA) em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), sob coordenação da professora Patrícia de Oliveira Carvalho, do curso de Farmácia no campus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco (USF). O projeto foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O projeto coordenado por Patrícia foi apresentado no congresso por seu colega, Carlos Eduardo Araújo, com o título Desenvolvimento de Software para Avaliação de Interações Medicamentosas Potenciais em Prescrições do SUS-Campinas.

O trabalho concorreu com outras 300 experiências, das quais 98 foram pré-selecionadas para premiação e 17 efetivamente premiadas em diversas categorias. A experiência recebeu o prêmio de maior destaque, no eixo temático Relato de Experiência Profissional Bem Sucedida Observada nos Serviços, Cujo Enfoque Seja o Uso Racional de Medicamentos.

Vanguarda

Para Araújo, o prêmio evidenciou que a Região Metropolitana de Campinas está na vanguarda do país no que diz respeito ao uso de ferramentas tecnológicas para melhoria do Atendimento no Sistema Único de Saúde.

"Após a apresentação, na qual destaquei o nível de informatização do município de Campinas, houve uma grande quantidade de perguntas, tanto da banca quanto da plateia, querendo saber mais sobre a estrutura da cidade para a gestão da Saúde", disse.

"Estamos muito contentes com o prêmio e com os resultados da pesquisa", avaliou Patrícia, destacando que a expectativa agora é de que as informações técnico-científicas relativas às interações medicamentosas, que são geradas pelo APM fiquem disponíveis aos gestores, prescritores e dispensadores em todas as unidades de saúde, permitindo seu uso imediato e garantindo mais efetividade e segurança no tratamento.

"A utilização do APM no momento da prescrição trará benefícios imediatos aos usuários de medicamentos do SUS e contribuirá para promover o uso racional dos medicamentos", complementou.

Danos à saúde

A coordenadora da assistência farmacêutica da SMS, Maria Elisa Bertonha, explica que o software é muito importante porque possibilita que interações medicamentosas que podem provocar danos à saúde sejam evitadas.

A interação medicamentosa ocorre quando o princípio ativo de uma determinada droga, a substância que produz os efeitos terapêuticos esperados, interfere na atuação do composto de outro medicamento. A combinação química, então, é capaz de gerar resultados adversos. Ela pode gerar a ineficácia do medicamento, aumento das reações adversas, geralmente relacionadas a toxicidade das drogas e, até mesmo, o agravamento do quadro clínico do paciente.

A interação medicamentosa é um problema que tem se tornado cada vez mais comum, na medida em que muitos pacientes utilizam no tratamento muitos medicamentos, sob a supervisão de diversos médicos.

Para evitar esses problemas, o APM atua pesquisando os medicamentos retirados pelo paciente em qualquer unidade de saúde nos últimos 30 dias e faz comparações entre os efeitos das drogas consumidas. Caso seja encontrada alguma interação que prejudique de alguma forma o paciente ou o tratamento, o sistema emite um alerta possibilitando ao corpo clínico da unidade avaliar a conduta a ser tomada.

APM

Ao possibilitar a identificação das interações medicamentosas no ato da prescrição, o APM pode tornar-se um importante instrumento para evitar problemas à saúde dos pacientes, uma vez que vai permitir a identificação automática desses casos.

"Dependendo da severidade, ao identificar a interação, o software poderá alertar para a necessidade de se bloquear a dispensação dos medicamentos, para que não sejam administrados de forma conjunta", explica Patrícia.

O programa está sendo utilizado desde abril no sistema de dispensação de medicamentos do Centro de Saúde Prefeito Antônio da Costa Santos, no Jardim Conceição, na região Leste. Segundo Maria Elisa, o resultado foi positivo e o software começará a ser implantado em toda a rede.

As equipes da USF, da IMA e da SMS estiveram reunidas em agosto para estudar as formas de viabilizar essa utilização do software nas demais unidades de saúde.