Notícia

Diarioweb (São José do Rio Preto)

Software analisa evolução de doenças

Publicado em 05 fevereiro 2012

Por Cecília Dionizio

Software foi desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp) Equipamentos como o PET-CT são resultado do trabalho de anos de pesquisas realizadas em laboratórios. É o caso, por exemplo, de um software, que foi desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp) para se adaptar ao aparelho de tomografia clínica, com o intuito de estudar, por meio de imagens, a evolução do câncer de mama e de doenças cardiológicas em animais de laboratório, assim como a reação dessas doenças a diferentes medicamentos.

O trabalho, inédito na América Latina, foi totalmente desenvolvido com tecnologia brasileira. A utilização do aparelho de tomografia permite a visualização e avaliação de órgãos de pequenos animais de laboratório criados para pesquisa enquanto eles permanecem vivos. Para criar o software e adaptar o aparelho de tomografia clínica para o estudo de alvos tão pequenos em relação ao corpo humano, foi preciso empregar ferramentas emprestadas da física e da astrofísica.

Além do software que foca os pequenos órgãos dos ratos, os pesquisadores desenvolveram tubos pequenos para acomodar os ratos, semelhantes àqueles onde humanos permanecem para a realização de exames de tomografia. "Foram três anos de muito trabalho para chegar a uma versão do equipamento ideal para utilização em animais.

Com ele, podemos visualizar, por exemplo, pequenos infartos na parede do coração de ratos", afirma o astrofísico Jorge Mejia, apoiado pelo projeto Jovem Pesquisador da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), docente e orientador do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Famerp.

"Com este equipamento, poderemos concluir os estudos em um período de tempo menor, já que os mesmos animais podem ser avaliados de forma contínua em diferentes momentos do experimento", afirma Orfa Yineth Galvis-Alonso, pesquisadora do Laboratório de Fisiologia Experimental da Famerp. "Poderemos também aplicar fármacos e acompanhar a evolução da doença no animal, reduzindo as incertezas quanto ao efeito dos medicamentos", diz.