Notícia

Correio Popular online

Software ajuda a identificar autismo

Publicado em 11 agosto 2014

Pesquisadores do Instituto de Computação da Unicamp, em parceria com um grupo de pesquisadores da Universidade de Minnesota e da Duke University, nos Estados Unidos, desenvolveram um software que auxilia profissionais da área da psicologia na triagem de crianças com transtorno do espectro autista (TEA). A ferramenta, que faz uma análise automatizada de vídeos de testes de triagem de autismo, oferece uma precisão maior no processo. A ideia é que o software possa contribuir para aumentar a eficácia da triagem de crianças com autismo, afirmou, à Agência Fapesp, o pesquisador Thiago Vallin Spina, estudante de doutorado no Instituto de Computação da Unicamp.

Estudos recentes apontam que muitas crianças com TEA apresentam marcadores comportamentais indicativos de autismo logo no primeiro ano de vida, como a dificuldade de desviar o olhar de um determinado ponto para rastrear um estímulo visual. A intenção do grupo é desenvolver uma versão do software que possa ser utilizada em escolas de educação infantil para realizar a triagem de crianças com suspeita de autismo com maior precisão e encaminhá-las para a realização do diagnóstico por especialistas o mais cedo possível.

O autismo é uma transtorno muito difícil de ser diagnosticado. Geralmente, o diagnóstico é feito por uma equipe médica multidisciplinar, que investiga e analisa o paciente por vários meses. O diagnóstico precoce melhora a eficácia dos tratamentos.

Para a detecção do distúrbio, são feitos três tipos de testes comportamentais, baseados na Escala de Observação de Autismo para Lactentes, para avaliar a atenção visual da criança. No primeiro teste, um brinquedo sonoro é chacoalhado ao lado esquerdo da criança e, em seguida, outro brinquedo é balançado ao lado direito. A intenção é avaliar o tempo que ela leva para responder ao segundo estímulo por meio do desvio do olhar.

O segundo teste consiste em mover um brinquedo horizontalmente próximo ao rosto e no campo de visão da criança, para verificar se há algum atraso em rastrear o movimento do objeto.] E no terceiro teste uma bola é rolada em direção à criança com intuito de verificar se ela pega a bola e estabelece contato visual e interação social com o pesquisador. Nesse tipo de exame, o profissional precisa controlar o estímulo e contar o tempo que a criança leva para reagir.

O uso do software vem para auxiliar e conferir maior precisão ao processo. Ele faz o processamento de imagens e realiza medições automáticas da atenção visual de crianças durante os testes a partir da gravação de vídeos das sessões de avaliação.

 

A pesquisa

 

Os testes de software realizados pela equipe usaram como base gravações feitas pela professora Amy Esler, na Universidade de Minnesota. A especialista avaliou um grupo de 12 crianças, com idade de 5 a 18 meses. O grupo de estudos colocou duas câmeras de alta resolução na sala onde foram realizadas as sessões e os equipamentos estavam posicionados em locais para obter uma visão geral do comportamento das crianças durante as sessões. A direção dos olhos e do nariz avaliou se essa direção se repetia ou mudava nos quadros seguintes do vídeo.

Dessa forma, conseguiu estabelecer vetores de movimento dos olhos e do nariz da criança de um quadro para outro e, por meio de medidas geométricas, estimar em que direção ela estava olhando durante os testes em relação aos objetos - se em direção a eles ou não. O software foi capaz de rastrear os movimentos dos olhos da criança e indicar se apresentavam ou não um correlação com a direção do brinquedo.

Os resultados das análises dos vídeos feitas pelo software foram comparados com a avaliação clínica feita por Esler com base na observação em tempo real dos testes e nos próprios vídeos e com as de dois estudantes de graduação em Psicologia e uma psicóloga não especializada em autismo. A comparação mostrou que o programa foi capaz de detectar sinais comportamentais indicativos de autismo tão bem quanto a especialista e melhor do que a psicóloga e os estudantes de Psicologia.

SAIBA MAIS

O software representa uma primeira etapa de um projeto de longo prazo, desenvolvido por um grupo multidisciplinar de pesquisadores das áreas de psicologia, visão computacional e aprendizado de máquina, que visa desenvolver ferramentas de baixo custo, automáticas e de análise quantitativa de dados, que podem ser úteis para identificar crianças com TEA mais precocemente.