Notícia

Jornal A Razão online

Sociedade mudou a percepção sobre medidas de proteção após auxílio emergencial

Publicado em 08 setembro 2020

Ninguém esperava que um governo que foi eleito com bandeiras ultraliberais pudesse agir de tal maneira. No entanto, a força do Congresso Nacional, que bateu o pé até conseguir que o auxílio emergencial fosse implementado, gerou frutos.

Com a criação de um auxílio em caráter de emergência, para beneficiar aqueles trabalhadores que perderam sua renda durante a pandemia, o Brasil viu o país chegar ao menor nível de pobreza dos últimos 40 anos.

Com isso, a sociedade mudou sua percepção sobre a utilização das medidas sociais e, mais que isso, possibilitou uma discussão que já deveria ter sido feita há muito tempo.

Economistas veem a discussão com bons olhos

Economistas participantes do COVID-19 Economic Strategies: Basic Income, que foi promovido pela FAPESP, entendem que a discussão é eficiente e que o auxílio emergencial pode significar um ponto importante no combate às desigualdades.

Para Narceio Menezes filho, professor da USP, a concentração do auxílio em famílias pobres com filhos poderia ajudar em uma melhor forma de criar oportunidades iguais no futuro. A sugestão é fortalecer a inclusão social, principalmente na escola.

A ideia do economista é a de que as grandes dificuldades enfrentadas na infância tendem a dificultar aos jovens uma busca por conhecimento e por estudos no futuro, o que tende a acirrar as desigualdades.

Ampliação dos benefícios

Grande parte da discussão se pauta também no bolsa família, que pode mudar de nome a qualquer momento. Seja qual for o slogan adotado, o programa é a base de uma tentativa de tirar milhões de pessoas da extrema pobreza.

O auxílio emergencial, no valor e na quantidade que está sendo pago, poderia ser uma boa opção se mostrou bem eficaz, no entanto, é importante entender que não se sustenta a longo prazo.

Solução

A solução para a extrema pobreza no Brasil passa pela geração de empregos e propiciação de uma vida digna aos cidadãos.

Ainda que os auxílios ajudem em um momento inicial, o ideal para o país é ter um projeto que lhe permita dar sustento real às pessoas.