Notícia

DCI

Sistema inédito gerencia pulverização nas plantações

Publicado em 22 outubro 2002

Por Fabiana Pio
Um sistema inédito no mundo para controlar a pulverização na agricultura foi desenvolvido pela pequena Enalta, localizada no Parque Tecnológico (Parqtec) de São Carlos, interior paulista. Segundo Clécio Biscassi, um dos sócios da Enalta, o produto permite aumentar a produtividade na lavoura em até 30%. O equipamento começou a ser comercializado no começo deste ano pela brasileira Herbicat. De acordo com Luiz César Pio, proprietário da Herbicat, o produto custa R$ 7 mil. Já foram vendidas 14 unidades para as usinas Cerradinho, Volta grande, Delta e Cocai, previsão é vender mais 30 unidades até o início de 2003, segundo Pio. De acordo com Luciano Koenigkan, analista de sistemas da Enalta, o novo produto consiste num coletor de dados e um software gerenciador de pulverização. O coletor de dados armazena as informações sobre a pulverização no campo a cada dois segundos. Ele também tem um aplicativo para o sistema de localização via satélite (GPS). Para Koenigkan, com esse sistema, é possível ter informações sobre as áreas da fazenda onde foram aplicadas o produto e identificar as máquinas, operadores e os motivos de parada. "Esse sistema é também conhecido com dedo-duro, pois registra o tempo que a máquina Ficou parada e a quantidade de produto depositado na plantação. Com isso, é possível gerenciar o trabalho do funcionário e identificar as falhas de operação", diz Luiz César Pio. Ao término do trabalho, as informações são transferidas no campo para um computador de mão, e em seguida, para um PC. O software emite gráficos sobre a distribuição dos tempos operacionais para análise operacional, custo, velocidade de trabalho, pressão e volume de aplicação pontual com média de quatro a quatro segundos, informações do tempo de uso das barras por seção e estatísticas das doses aplicadas. De acordo com Biscassi, para desenvolver o equipamento, a Enalta participou do Programa de Apoio as Pequenas Empresas (Pipe) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Na primeira fase, a Enalta recebeu R$ 40 mil. Está prevista iniciar uma segunda fase para desenvolver um único sistema para coleta e gerenciamento de dados. Além desse sistema, a Enalta desenvolveu um sistema inédito nacional para controlar a quantidade de água emitida pelo carretei para irrigação de lavouras. De acordo com Biscassi, a Enalta já vendeu cerca de 100 unidades no País. Um dos clientes é a Metal Lavras, que resolveu adotá-lo para substituir um similar importado da Itália. Denominado MLC, o produto controla e determina a quantidade de água a ser liberada na plantação. O controlador programa o feixe de água de acordo com a necessidade do solo. Segundo Koenigkan, o sistema evita desperdício de água e garante a quantidade necessária para ser usada na irrigação. A Enalta foi fundada em 1999, em Catanduva. Em 2001, foi transferida para o Parqtec e tem atualmente 11 funcionários. A expectativa é faturar R$ 240 mil, neste ano. Já a Herbicat atua há 15 anos no mercado e fabrica equipamentos de pulverização. Neste ano, a empresa prevê faturar R$ 5 milhões.