Notícia

Agência C&T (MCTI)

Sistema de movimento de folhas ganha nova versão

Publicado em 07 janeiro 2008

Artigo de autoria de Tatiane Maria Rodrigues e Silvia Rodrigues Machado, respectivamente, doutoranda e docente do Departamento de Botânica do Instituto de Biociências (IB), câmpus de Botucatu, foi destaque da edição de dezembro da revista Mícron, versão online. A publicação internacional é especializada nas áreas de microscopia e microanálise.

O trabalho intitulado "Aspectos funcionais do pulvino em relação aos movimentos foliares: o estudo do sistema vascular em microscopia de luz e eletrônica", resulta da análise de nove espécies de leguminosas nativas do Cerrado de Botucatu, que apresentam movimentos foliares. O estudo verificou a anatomia e a ultra-estrutura do sistema vascular do pulvino primário das plantas.

O pulvino é um espessamento da base da folha, semelhante a uma articulação, responsável pelo movimento foliar.

Segundo Tatiane, tais movimentos têm sido associados à proteção, economia de água e maximização da fotossíntese em condições adversas.

Ainda de acordo com a doutoranda, conhecer o funcionamento dessas estruturas pode auxiliar em tomada de medidas de proteção de espécies nativas de biomas ameaçados, como é o caso do cerrado brasileiro.


Nova interpretação

Entre os resultados obtidos, as pesquisadoras chamam a atenção para o sistema vascular das espécies analisadas. Eles verificaram que ele é delimitado externamente por uma bainha de fibras que separa suas estruturas celulares, ao contrário do que informa a literatura, segundo a qual essa bainha é formada por células alongadas, reforçada por paredes de celulose.

Tatiane e Silvia salientam que alguns aspectos estruturais observados, como a escassez de lignificação dos organismos estudados, ou seja, de deposição de substância que confere rigidez, e a extensiva comunicação entre as células contribuem para corroborar a hipótese de participação do sistema vascular no funcionamento do pulvino.

As informações do artigo são parte da dissertação de mestrado de Tatiane, apresentado em 2006, sob a orientação de Silvia e financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).