Notícia

Revista Eletrônica & Informática (Ipesi)

Sistema 3D para energia

Publicado em 01 julho 2007

A empresa Cientistas Associados Desenvolvimento Tecnológico, de São Carlos (SP), desenvolveu um sistema 3D com amplas possibilidades de aplicação em infra-estrutura, como nas áreas de energia, tele comunicações, óleo e gás, água e esgotos e planejamento urbano. Concebido originalmente para a área de energia, o ENS3D (Energy Network System 3D) coloca em escala tridimensional os mapas virtuais de monitoramento normalmente usados pelas empresas que se dedicam àqueles segmentos.

Para o coordenador do projeto, Antonio Valério Netto, com a utilização de softwares de SIG (Sistema de Informação Geográfica) que apresentam os contextos em três dimensões é possível uma interpretação mais ágil e precisa de uma grande quantidade de informações.

"Ela possibilita uma melhor compreensão das relações espaciais existentes entre os ele mentos analisados e facilita a visualização de situações complexas, cuja representação só seria possível por meio de um grande volume de mapas ou documentos", explica.

No caso das empresas concessionárias de distribuição de energia elétrica, o SIG tradicional já representa uma poderosa ferramenta de gestão territorial. Ele opera através do cruzamento entre o diagrama temático (representação técnica da distribuição de energia elétrica, que com bolinhas e riscos mostram as rotas de distribuição) com os layers de ruas e prédios atendidos pelo sistema, O segundo ambiente chamado de SIG 2D, é um mapa de navegação 2D da cidade, com layers de ruas e prédios, que permitem a localização física de onde está representado o diagrama temático.

"A incorporação do SIG 3D permite uma melhor interação, sendo de grande valia em situações onde a visualização tri dimensional oferece melhores recursos para a tomada de decisão", diz Valério. "Também implica um melhor controle no monitoramento de ativos aterrados".

A principal inovação do sistema ENS3D é a adoção de uma Interface Homem-Computado (IHC) que contempla os três ambientes de visualização sincronizados, isto é, ao movimentar um dos ambientes ou outros dois também se movimentam de forma georreferenciada. No Brasil, menos de 10% das distribuidoras de energia elétrica possui aplicativos com esta tecnologia.

O projeto contou com o apoio financeiro da Fapesp, por meio do seu Programa de Inovação para Pequenas Empresas (Pipe).