Notícia

Jornal da USP

SIMPÓSIO - Um tributo a José Leite Lopes

Publicado em 08 novembro 1998

Por LEANDRA RAJCZUK
O instituto de Física da USP reúne nesta semana professores, pesquisadores e cientistas de várias áreas do conhecimento em um encontro internacional para debater as contribuições desse físico-teórico para a sociedade brasileira. O Instituto de Física da USP vai sediar esta semana um encontro que, deverá refletir sobre o papel da pesquisa básica e da educação no Brasil nesta época de globalização. Nos dias 4 e 5 de novembro, será realizado o Simpósio Internacional Ciência e Educação na História do Brasil - Homenagem aos 80 anos do professor José Leite Lopes, que terá a presença de professores, pesquisadores e cientistas da Física e de outras áreas do conhecimento. José Leite Lopes, notável físico brasileiro de reconhecimento internacional e autor de artigos teóricos de grande repercussão em física nuclear e de partículas, é conhecido por suas atividades em prol da socialização do conhecimento científico e tecnológico em benefício da população em geral, e da população brasileira em particular. "Ao discutir suas idéias sempre inspiradoras, seja no campo da física, seja no da política científica, esperamos obter subsídios estimulantes para fazer frente à crise do nosso tempo", afirma Shozo Motoyama, diretor do Centro de História da Ciência da USP e um dos organizadores do evento. O evento é uma promoção do Centro Interunidade de História da Ciência, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, da Estação Ciência, do Instituto de Estudos Avançados, do Instituto de Física, da Sociedade Brasileira de Física e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Conta, ainda, com o apoio da Fapesp e da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP. Entre os participantes estarão o diretor científico da Fapesp, José Fernando Perez, o vice-reitor da USP, professor Adolpho José Melfi e o prefeito da Cidade Universitária, Gil da Costa Marques. Os professores Aziz Ab'Saber (IEA/USP e ex-diretor do Instituto de Física), Milton Santos (FFLCH/USP), Octavio Ianni (ICH/Unicamp), Amélia Império Hamburger (IF/USP), Júlio Katinsky (FAU/USP) e Alfredo Bosi (IEA/USP) serão alguns dos conferencistas, além dos pesquisadores franceses Norbert Fleury, Roberto Salmeron, Bruno Escoubès e Michel Paty. Haverá também conferências dos físicos José Leite Lopes, César Lattes e Marcelo Damy de Sousa Santos. As mesas-redondas terão como coordenadores o secretário de Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo. Flávio Fava de Moraes e o diretor da Estação Ciência, professor Ernst Hamburger. O encerramento terá a presença do reitor da USP, professor Jacques Marcovitch (leia ao lado a programação completa do simpósio). TRAJETÓRIA INDEPENDENTE Como explicar, no âmbito internacional, o investimento de U$ 182 bilhões de dólares (2,5% do PIB) dos Estados Unidos e de U$ 87 bilhões (2,3% do PIB) do Japão em Ciência e Tecnologia no ano passado? Qual deles estaria errado, na perspectiva do desenvolvimento, nesta conjuntura dos tempos globalizados? "Esse encontro foi concebido para debater esses e outros assuntos, tendo como pano de fundo o trabalho do professor Leite Lopes", explica Motoyama. "Nosso investimento em Ciência e Tecnologia é de 1.2% do PIB. É preciso investir mais." O professor José Leite Lopes nasceu em Recife em 28 de outubro de 1918. O simpósio em sua homenagem está sendo realizado para comemorar, além de seus 80 anos, os 40 anos de seu trabalho relativo a unificação da interação eletro-fraca - estudo que foi o ponto de partida de trabalhos desenvolvidos por Abdus Saiam, Steven Weinber e Sheldon Lee Glashow, que culminaram com a premiação Nobel em 1979. Em Princeton, Estados Unidos, Leite Lopes iniciou, na década de 40, seu doutoramento com o físico-teórico Wolfgang Pauli e teve oportunidade de freqüentar cursos ministrados por Einstein. Tornou-se pouco depois catedrático da Faculdade Nacional de Filosofia, no Rio de Janeiro, continuando sua colaboração com Pauli e outros. "Em época anterior de sua carreira recebeu o incentivo de Mario Schenberg, seu amigo dileto até a morte deste último e teve influência na carreira de Cesar Lattes, o brasileiro participante da descoberta do meson", conta Iuda Dawid Goldman vel Lejbman, chefe do Departamento de Física Experimental do Instituto de Física da USP. Segundo Lejbman, por ocasião do golpe em 1964. Leite Lopes teve dificuldades exilando-se e trabalhando em Orsay, na França, retornando brevemente ao Brasil para depois cumprir um exílio mais prolongado, primeiro na prestigiosa Carnegie-Mellon, Pittsburgh, e depois na França, na Universidade de Strasbourg, onde permaneceu até sua volta ao Brasil e de onde é professor emérito. Seu trabalho inclui, além de inúmeras publicações científicas, livros sobre diferentes campos da Física, publicados em maior parte no Exterior e adotados nas instituições de ensino superior, principalmente na França. O evento prevê, ainda, a doação do arquivo do físico-químico almirante Álvaro Alberto de Motta e Silva para o Centro de História da Ciência da USP. Mota e Silva foi o principal formulador das diretrizes que nortearam a criação da política nacional para a indústria nuclear e um dos fundadores do CNPq. "São cartas, filmes, fotografias e gravações que estavam guardados na casa de campo do almirante, na cidade de Petrópolis, e que agora constituem o mais novo acervo do nosso instituto", explica Motoyama. O Simpósio Internacional Ciência e Educação na História do Brasil - Homenagem aos 80 anos do professor José Leite Lopes será realizado nos dias 4 e 5 de novembro no Anfiteatro Abrahão de Moraes do Instituto de Física da USP (r. do Matão, travessa R, número 187, Cidade Universitária, São Paulo). As inscrições são gratuitas e podem ser feitas no Centro Interunidade de História da Ciência (av. Professor Lineu Prestes, número 338, Cidade Universitária, São Paulo). Mais informações podem ser obtidas pelo tel. (011) 818-3776 (com Joana).