Notícia

Jornal de Piracicaba

Simpósio reúne 300 geólogos em São Pedro

Publicado em 26 outubro 2003

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem a intenção de resgatar a credibilidade e a valorização da geologia, além de torná-la mais próxima da sociedade. A afirmação é de Agamenon Dantas, diretor-presidente do Serviço Geológico do Brasil, órgão ligado ao Ministério de Minas e Energia. O tema Conhecimento Geológico Base para o Desenvolvimento Sustentado foi amplamente discutido em simpósio realizado esta semana em São Pedro, reunindo 300 geólogos. Agamenon destaca que, ao fazer com que a geologia fique mais próxima da sociedade, é possível oferecer soluções que contribuam para a melhoria da qualidade de vida das comunidades. As mudanças, segundo ele, deverão ocorrer enfocando as diretrizes estratégicas de governo, como o combate a fome e às desigualdades sociais. O diretor citou, como exemplo, o programa Sede Zero na cidade de Guaribas, no Piauí (cidade em que foi lançada o Fome Zero) no qual o Serviço Geológico, em parceria com a Petrobras, está buscando alternativas para ativar poços e amenizar o sofrimento das vítimas do semi-árido. Em sua exposição, o diretor-presidente do Serviço Geológico Brasileiro também apresentou intenção de mapear, em três anos, 4% de toda a área do país o equivalente a 58% da área de Minas Gerais. "Sem o pleno conhecimento do meio físico, o planejamento do desenvolvimento sustentável é mera peça de ficção", disse Dantas referindo-se à importância de os municípios conhecerem as potencialidades do solo, de áreas próprias para instalação de empresas, das áreas de risco. Com estes dados, é possível planejar ações e buscar possíveis investimentos, fomentando a economia local. ACORDO Durante o evento, com representantes da Unesp (Universidade Estadual Paulista). USP (Universidade de São Paulo), Universidade Federal do Paraná e Unicamp (Universidade de Campinas), foi fechado acordo de cooperação técnica com o Serviço Geológico do Brasil para a instalação do Centro de Desenvolvimento e Estudos de Apiaí. São Paulo. Ficou estabelecido ainda a criação de uma comissão que vai acompanhar o projeto e serão realizadas também parcerias com o IG (Instituto Geológico) e a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado" de São Paulo). A Prefeitura de Apiaí já cedeu a área de sete alqueires situada na área urbana da cidade. O terreno fica próximo ao Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira, um cenário bem preservado da Mata Atlântica, com grande ocorrência de cavernas, cachoeiras e uma biodiversidade ímpar no Estado de São Paulo. O Centro atenderá as necessidades de graduação e pós-graduação de diversos institutos e faculdades oferecendo alojamentos, refeitório e instalações para cursos de campo e pequenos laboratórios de preparação de amostras e apoio logístico para o desenvolvimento de pesquisas ambientais na região.