Notícia

O Imparcial (Presidente Prudente, SP)

Silêncio total preocupa araraquarenses

Publicado em 24 maio 2012

Suspeitas sobre experiências químicas nos céus da cidade não são rebatidas Leitores perguntaram qual foi o parecer dos gestores públicos e dos cientistas de Araraquara sobre as suspeitas de experiências com Geoengenharia Climática que podem estar sendo realizadas com várias aeronaves deixando trilhas químicas no céu da cidade. Por enquanto só o silêncio e comentários extraoficiais do gênero: 'essas aeronaves e seus rastros são normais'.

Por parte do cientista atmosférico Arnaldo Alves Cardoso, professor do Instituto de Química de Araraquara da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que coordena um projeto apoiado pelo Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais, e que em 2010 participou da reunião em Copenhagen onde estas experiências foram discutidas e proibidas pela ONU, o que vemos nos céus de Araraquara lembram a Geoengenharia, mas não se pode afirmar. Talvez possamos entender a dificuldade que teríamos se tentássemos afirmar que tais experiências estão ocorrendo, observando as cifras que envolvem a Geoengenharia Climática.

Os custos são altos. Variam de US$ 27 bilhões a US$ 5 trilhões – valor maior que o do PIB do Brasil em 2009. Entretanto bilionários como o Bill Gates já estão oficialmente e publicamente patrocinando estas experiências. Porém o custo ambiental é o maior entrave na Europa, na Ásia e nos EUA, com protestos contra a aplicação e até para a continuidade das pesquisas. Porém, no Brasil, não se ouve quase ninguém debatendo o assunto.