Notícia

Inovação Unicamp

Setor público domina ranking de pedidos de patente no Brasil

Publicado em 15 agosto 2011

Entre os dez maiores titulares de pedidos de patente registrados no Brasil, com prioridade brasileira, entre 2004 e 2008, oito estão ligados ao Estado, e apenas dois são entidades privadas.
 
Esses oito – que incluem universidades, agências de fomento e a Petrobras – respondem por 83% dos pedidos anotados no ranking, elaborado como parte de um estudo realizado por pesquisadores do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).
 
A Petrobras encabeça a lista, com 388 pedidos, ou 21% do total dos dez maiores. Em seguida vêm a Unicamp, com 15%, e a USP, com 14%. Em quarto lugar aparece a primeira empresa privada, a Whirpool S.A. – empresa que controla marcas como Brastemp e Consul – com 9%.
 
Completam a lista dos dez maiores solicitantes as Universidades Federais de Minas Gerais e Rio de Janeiro, a Fapesp e a Fapemig – órgãos de fomento à pesquisa dos Estados de São Paulo e Minas Gerais –, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) e o grupo Semeato, de máquinas agrícolas, que aparece em oitavo lugar, com 6% do total de pedidos.
O estudo das pesquisadoras Cristina D'Urso de Souza Mendes, Luci Mary Gonzalez Gullo e Rafaela Di Sabato Guerrante revelou que a maioria desses solicitantes mantém parcerias com outras empresas ou instituições. Entre as universidades, a Unicamp é cotitular de pedidos de patentes com 15 empresas; a USP, com 14; a UFMG, com 7; e a UFRJ, com 6.
 
No caso das agências de fomento, o número de parceiras é ainda mais expressivo: a Fapesp é cotitular em 118, ou mais de 89%, de seus pedidos; já a Fapemig, em 85,2% de seu total de 68 solicitações.
O trabalho do INPI traz ainda gráficos que expõem as redes de relacionamento dos nove líderes do ranking. Essas redes mostram quem são os principais cotitulares em pedidos de patente, e a "intensidade" do relacionamento – isto é, quem são os cotitulares com maior número de solicitações conjuntas.
 
A Petrobras, por exemplo, tem 15 cotitulares, mas os mais frequentes são a Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Já a Unicamp tem 31 parceiros em seus pedidos, sendo 10 deles outras instituições de ensino, 15, empresas, 5, institutos de pesquisa e um, uma instituição de fomento. As relações mais intensas da Unicamp são com a USP (8 pedidos comuns) e a Fapesp (5 pedidos comuns).