Notícia

O Imparcial (Presidente Prudente, SP)

Setor citrícola cobra liberação de verbas para combate ao cancro

Publicado em 26 fevereiro 2000

O presidente do Fundo de Defesa da Citricultura, Ademerval Garcia, vai amanhã (26) à Brasília para cobrar a liberação de verbas prometidas pelo governo federal para o combate ao cancro cítrico. A doença que atinge o parque citrícola brasileiro, o maior do mundo, não tem cura e, para evitar sua disseminação é necessária a erradicação na árvore com sintomas e todas as que estiverem num raio de 30 metros. Só no ano passado, mais de 2 milhões de plantas foram erradicadas no Estado de São Paulo e sul de Minas Gerais. O prejuízo provocado pelo cancro cítrico nos últimos dois anos no setor já chegou a meio bilhão de dólares. O setor citrícola é o quarto item na pauta de comércio exterior do Brasil, com exportações anuais de US$ 1,5 bilhão, um negócio ameaçado pela redução do número de árvores em produção devido, principalmente ao cancro cítrico. Em 1999, o Fundecitrus, uma entidade sustentada por citricultores e indústria de suco, investiu R$ 37 milhões na maior inspeção já realizada no mundo - R$ 5 milhões foram repassados pelo governo federal. O Ministério da Agricultura e Abastecimento, no entanto, havia prometido R$ 17,5 milhões e outros 33 milhões para este ano e 2001. Em maio, quatro mil pessoas foram contratadas por prazo determinado para inspecionar 150 milhões de árvores, uma operação que terminou em novembro. Três mil trabalhadores permanecem no campo fazendo inspeções e segundo os técnicos, serão necessárias mais três mil pessoal para erradicar a doença e um investimento de pelo menos R$ 50 milhões apenas este ano. O Fundecitrus concentrará esforços em propriedades menores e quintais e a velocidade do processo de erradicação dependerá dos recursos que puderem ser alocados pelo governo federal. A verba também será utilizada na erradicação de pomares abandonados no Estado. São 25 milhões de árvores que hoje ocupam, 82 mil hectares das terras mais caras e produtivas do país. ENCONTRO COM O PRESIDENTE Garcia também vai se encontrar com o presidente Fernando Henrique Cardoso durante a cerimônia com os participantes do Projeto Genoma Xylella fastidiosa, no auditório do Palácio da Alvorada. É o primeiro seqüenciamento genético de um fitopatógeno (um organismo que causa doença em planta) já realizado no mundo. A Xylella fastidiosa é a bactéria causadora da doença ÇVC, também conhecida como amarelinho. Esta doença causa a morte da planta - nos últimos 10 anos já provocou a erradicação de 20 milhões de árvores - e causa um prejuízo de R$ 200 milhões anualmente. Um terço do parque citrícola brasileiro, o maior do mundo com 202 milhões de árvores, está com sintomas do amarelinho. O Projeto foi realizado pela Fapesp (Fundo de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo), em parceria com o Fundecitrus, e teve US$ 12 milhões em investimentos.