Notícia

Portal do PPS

Serra vai investir mais em ciência

Publicado em 03 agosto 2010

Por: Assessoria do candidato

José Serra levará para a presidência os resultados de uma política de incentivo à Ciência, Tecnologia e Inovação que ajudam a fazer de São Paulo um dos maiores centros de excelência da América Latina. Por exemplo: sua decisiva participação na criação do Centro Paulista de Pesquisa em Bioenergia, em parceria com as três universidades estaduais - USP, UNICAMP e UNESP - e com a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Até o final do ano, o governo terá repassado R$ 54 bilhões para o centro, que serão usados para a construção de laboratórios, eventuais reformas e compra de equipamentos.

O físico José Goldemberg, ex-ministro de Ciência e Tecnologia, ressalta que a arquitetura do novo centro dá uma resposta aos desafios mapeados pela Comissão de Bioenergia do governo paulista, coordenada por ele entre 2007 e 2008. "Ficou claro para a Comissão que a expansão da produção do etanol no estado exigia um aumento de produtividade e que era necessário avançar em pesquisa para desenvolver novas tecnologias."

Serra sustentou um política de autonomia da FAPESP e das universidades estaduais com orçamento de 4,3% da receita tributária do estado, o que representou transferência de recursos para pesquisa e desenvolvimento no valor de R$ 3,7 bilhões, o dobro do que recebeu do governo federal com tal finalidade. Ele está preparado para responder aos principais desafios do setor nos próximos quatro anos. Entre eles, incentivar a pesquisa no setor privado e desenvolver uma política articulada entre os ministérios e órgãos gestores da política setorial.

Na soma de investimentos privados e públicos destinados à inovação, o Brasil desembolsa 1,09% do PIB por ano. Teria que mais do que duplicar essa importância para enfrentar a China e os membros da OCDE (Organização de Cooperação e de Desenvolvimento Econômico). Para isso, é preciso reproduzir nacionalmente modelos de parceria como aquele Governo-FAPESP-Universidades que Serra articulou no final do ano passado.

Dentro desse espírito, cabe restaurar a capacidade de pesquisa avançada do padrão da Embrapa, que funcionou como motor do agronegócio. Outra iniciativa imprescindível é o esforço para formar cada vez mais recursos humanos qualificados. Em 2008, as universidades apresentaram resultados menores do que no ano anterior em relação ao número de pessoas formadas.

É forçoso fazer com que o número de doutores formados, que atualmente cresce à taxa de 5%, retorne aos patamares de 18% registrados até 2003. Uma ideia que parece madura no meio científico é a criação de uma agência nacional de inovação com poder para articular a política de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Como acontece em outras áreas, muito do que é feito no Brasil praticamente depende do heroísmo dos pesquisadores, que lutam contra a falta de condições adequadas e do devido reconhecimento da importância de seu trabalho. Com Serra, a ciência e tecnologia no Brasil podem mais.

Assistência ao Produtor

Programa Microbacias - Repassa para as associações de produtores, máquinas de plantio direto, equipamentos agrícolas e kits de informática para qualificação de produtores. Parceria do Governo do Estado com o Banco Mundial.

Está presente em 518 municípios e 966 microbacias. Beneficia cerca de 70 mil famílias, numa área de 3,3 milhões de hectares.

Programa de Microbacias II - Vai promover o desenvolvimento rural sustentável e a competitividade agrícola no Estado, aumentando as oportunidades de emprego e renda para pequenos agricultores e suas famílias e populações rurais vulneráveis.

O Banco Mundial já aprovou um empréstimo de US$ 78 milhões, sendo U$ 52 milhões de contrapartida do Governo do Estado . Vai beneficiar cerca de 22.000 pequenos agricultores, incluindo cerca de 1.500 famílias de comunidades indígenas e quilombos.

Difusão de Técnicas para Gestão da Pecuária Leiteira a Pequenas Propriedades (CATI-Leite) - busca a viabilidade econômica da atividade pecuária leiteira em pequenas propriedades. Atualmente beneficia 1.150 pequenas propriedades rurais planejadas e assistidas.