Notícia

Jornal da Tarde

Serra define mais nove secretários

Publicado em 21 novembro 2006

O governador eleito de São Paulo, José Serra (PSDB), anunciou nove secretários que vão compor sua equipe de governo. Agora, são dez os postos definidos (leia quadro), entre eles pastas estratégicas, como Segurança Pública, Administração Penitenciária, Saúde e Educação. Nenhum ex-ministro foi indicado por ora. O tucano manteve 4 secretários do governador Cláudio Lembo (PFL): Rogério Amato (Assistência e Desenvolvimento Social), Maria Lúcia Marcondes (Educação), Luiz Roberto Barradas (Saúde) e Antônio Ferreira Pinto (Administração Penitenciária).
'Eu ouvi falarem muito bem do trabalho que eles vêm fazendo', justificou Serra. 'Eu tenho levado em conta todos os partidos, mas, francamente, para o secretariado, estou preferindo formar equipe que sei que tem sensibilidade política, mas não como representação partidária. Isso não significa que os partidos não terão voz'.
Serra também confirmou que levará para o Estado mais três secretários da Prefeitura: Aloysio Nunes Ferreira irá para a Casa Civil, Francisco Luna para o Planejamento e Luiz Antônio Marrey para a Justiça. Ele já havia anunciado Mauro Ricardo Costa, que comanda as finanças municipais, para a Fazenda. Na campanha, Serra havia prometido que não tiraria secretários da Prefeitura para compor seu novo time. 'Espero parar por aí', afirmou.

Para Goldman, conselhos
Contrariando as especulações, Serra descartou que o vice-governador, Alberto Goldman, ocupará a Secretaria dos Transportes. Ele será o coordenador dos quatro conselhos que o tucano pretende recriar - inspirado no governador Franco Montoro - para integrar áreas da administração. A segurança pública será cuidada de perto por um desses conselhos. Os outros três serão divididos em política econômica, social e infra-estrutura.
Para os Transportes Metropolitanos, Serra trará José Luiz Portella, que atuou no Ministério dos Transportes na gestão Fernando Henrique Cardoso. O tucano precisa definir 23 secretários. Isso se não alterar a estrutura da administração estadual; ele pode criar, por exemplo, secretaria para deficientes. E ainda deve contemplar aliados: PFL, PPS (que se fundiu com outros partidos formando a MD), PDT, PV e PTB.
Das secretarias em aberto, duas são de indicação pessoal (Casa Militar e Comunicação), uma (Cultura) será oferecida a artistas e intelectuais e uma quarta, Meio Ambiente, pode ser destinada ao PV.
Além de contemplar o PFL - com Amato, Maria Lúcia e, provavelmente, o candidato derrotado ao Senado, Guilherme Afif Domingos, que deve ficar com Trabalho -, Serra deve oferecer à MD a Secretaria de Ciência e Tecnologia, para a qual pode ir o diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique Cruz. Resta um problema: o PTB do deputado Campos Machado, um dos mais ativos articuladores da Assembléia.