Notícia

Esteta

Serpentes acuadas

Publicado em 28 janeiro 2015

Depois de quatro anos organizando uma rara síntese de informações produzidas durante muitas décadas de trabalho de campo, o biólogo Cristiano Nogueira pode finalmente dizer: Agora conseguimos ver de modo claro que a principal ameaça às serpentes do Brasil é uma dramática perda de vegetação nativa, que é também a causa de outros problemas, como essa seca em São Paulo.

 

Como pesquisador do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZ-USP), ele coordena um extenso mapeamento, comparando a distribuição geográfica atual e passada das serpentes brasileiras.

 

Os resultados preliminares indicam que algumas espécies perderam até 80% da área de floresta ou campos que ocupavam três décadas atrás. A perda de espaço associada à expansão das cidades e da agropecuária, como também se passa com outras espécies implica o desaparecimento de evidências da história evolutiva não apenas das cobras, mas também de outros grupos de seres vivos, que se formaram e ocuparam seus espaços ao longo de milhões de anos.

 

Nogueira espera concluir em 2016 os mais de mil mapas que delimitam com precisão esse problema ao comparar as áreas ocupadas hoje e no passado pelas 380 espécies encontradas no Brasil. É a maior diversidade de serpentes do mundo, incluindo as minúsculas e inofensivas cobras-cegas, as jararacas, cascavéis, corais verdadeiras e falsas, até as maiores, como a jiboia e a sucuri, de até 10 metros de comprimento.

 

De acordo com os mapas já prontos, 22 espécies são exclusivas ou endêmicas de trechos da caatinga e outras 80 da mata atlântica. Estamos descobrindo as áreas de endemismo e ao mesmo tempo vendo que as estamos perdendo, observa Nogueira, à frente de uma equipe de 25 especialistas do Brasil e dois da Argentina.

 

A Bothrops itapetiningae, a menor entre as jararacas, com 40 a 60 centímetros de comprimento os machos têm cauda mais longa, enquanto as fêmeas têm uma cabeça maior , deve ocupar hoje apenas 20% da área original de há 30 anos, que se estendia pelos campos e cerrados desde São Paulo até o centro de Goiás e foi intensamente ocupada por plantações ou cidades.

 

O desmatamento chegou até as bordas do Parque Indígena do Xingu, no Mato Grosso e Pará, e do Parque Nacional das Emas, em Goiás, observa Nogueira. As perdas cresceram muito desde que comecei esse levantamento, em 2010, e agora avançam sobre a Floresta Amazônica.

 

Outra espécie acuada é a jararaca-de-murici (Bothrops muriciensis), encontrada apenas em matas de altitude superior a 400 metros em uma estação ecológica no município de Murici, em Alagoas. Marco Antonio de Freitas, pesquisador do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) que coordenou o trabalho de campo com essa espécie, viu que o desmatamento é intenso por lá, mesmo em áreas protegidas por lei. Não é o único problema.

 

Nas regiões Norte e Nordeste ainda não existe um trabalho educativo eficaz, que coíba a matança de serpentes peçonhentas. O máximo que se consegue é que os moradores não matem as que eles mesmos reconhecem como inofensivas, disse ele.

 

Ali e em outros lugares, a maioria das pessoas prefere matar esses bichos, por causa do medo e do asco que despertam, embora a minoria das espécies seja venenosa. Em um estudo de 2014, Freitas relatou que a jaracuçu-tapete (Bothrops pirajai) vive apenas em fragmentos de Mata Atlântica do sul da Bahia, sob as mesmas ameaças.

 

Leia a reportagem completa em http://revistapesquisa.fapesp.br/2015/01/19/serpentes-acuadas/

 

Carlos Fioravanti

Revista Pesquisa FAPESP