Notícia

Gazeta Mercantil

Secretários levam balanço a Sardenberg

Publicado em 09 dezembro 2002

Integrantes de dois fóruns nacionais, o dos secretários estaduais de Ciência & Tecnologia o das fundações estaduais de amparo à pesquisa apresentaram ao ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardenberg, uma avaliação das principais ações executadas ao longo dos últimos anos por estas entidades. O trabalho sintetiza as principais ações que vêm sendo realizadas nas regiões, além de sugestões para os novos governos nos âmbitos estadual e federal. De acordo com o presidente do Fórum Nacional dos Secretários de C&T. Cláudio Marinho, que apresentou o documento em nome dos colegas, houve consenso sobre o avanço significativo das ações regionais de C&T, nos últimos anos. Os secretários da Região Norte deixaram claro, no documento, que apesar de considerarem os chamados "Arranjos Produtivos Locais" (APLs) um avanço na política nacional, é importante que sejam estabelecidas plataformas tecnológicas regionais vinculadas às políticas públicas dos Estados. Entre outros pontos, foi sugerida a integração dos projetos estaduais com os de perspectiva regional e programas complementares, de forma a angariar mais verbas para sua execução. Os dirigentes de Fundações da Amparo à Pesquisa (FAPs) destacaram os avanços registrados, nos últimos anos, na área de C&T. O presidente do Fórum Nacional das FAPs, Francisco Landi resumiu as propostas apresentadas por seus colegas. Entre elas, a de que sejam respeitados os mandatos dos dirigentes destas fundações. Ele também defendeu maior autonomia administrativa e financeira para estas entidades. Para o ministro da Ciência e Tecnologia, Ronaldo Sardenberg, o Governo e os membros dos dois fóruns experimentaram "um verdadeiro encontro de idéias em todos os eventos em que estiveram reunidos, o que culminou com o aumento do papel da C&T em todo o território nacional", afirmou, Ronaldo Sardenberg acentuou, ainda, que os arranjos produtivos locais apresentaram aumento significativo nos últimos dois anos. Para se ter uma idéia, em 2000, quando os arranjos foram implementados, existiam apenas cinco no País, Sardenberg também afirmou que, ao longo desse período, foram investidos R$ 61,4 milhões nos APLs. Deste montante, 30% foram repassados para programas do Nordeste, 11,7% para a legião Norte e 21,5% para o Centro-Oeste. O Sudeste ficou com 21,7% e o Sul do País, 16%.