Notícia

MCTIC - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Secretário ressalta esforço do setor público na busca de soluções para gestão da água

Publicado em 22 março 2018

A articulação entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), agências de fomento e fundações estaduais de apoio à pesquisa tem sido estratégica para o avanço científico em gestão da água e uso dos recursos hídricos no Brasil. Em participação no 8º Fórum Mundial da Água, nesta quarta-feira (21), o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCTIC, Alvaro Prata, ressaltou o papel do setor público na busca de soluções para os desafios ligados à água.

“Muitas das nossas iniciativas se materializam através do financiamento da pesquisa e da qualificação de pessoas. O trabalho do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) é primordial nisso. Nós também temos iniciativas em parceria com as fundações de amparo à pesquisa nos estados, que nos trazem uma dimensão mais local para o desafio da água. Toda essa atuação é estratégica para o ministério”, afirmou.

Dentro do painel “Financiamento continuado para pesquisas sobre água”, o secretário também elogiou as parcerias internacionais do Brasil. “Muitos países do primeiro mundo já perceberam o problema hídrico e há muitos fundos que apoiam projetos de pesquisa, notadamente no Brasil, que possui o maior manancial de águas doces do planeta. Nessas cooperações, podemos nos beneficiar do apoio financeiro desses órgãos e da qualificação de instituições internacionais”, avaliou.

Para o presidente do CNPq, Mário Borges, a ciência e a tecnologia podem ajudar o país a reciclar a água utilizada em diversas atividades.  “O reaproveitamento da água no Brasil pode ser melhorado com o uso da ciência e tecnologia, como já é feito em alguns países. Precisamos aprender a reutilizar a água que usamos no consumo residencial, industrial e na geração de alimentos”, disse.

O diretor de Programa e Bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Geraldo Nunes, sugeriu que a população seja educada desde cedo a lidar com os recursos hídricos.  “Um dos grandes erros do país é achar que a água potável não vai acabar nunca. A partir desse pressuposto, a água é usada sem nenhum cuidado. Esse erro só se corrige com educação da população desde os níveis mais elementares do ensino. A crise de recursos hídricos está batendo na nossa porta. Temos que nos preparar”, alertou.

Edital

O analista de projetos da Finep Vitor Dias Kappel apresentou os detalhes de um edital de R$ 15 milhões aberto em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) para financiar soluções voltadas à aferição da qualidade da água.  “A gente lançou nesta segunda-feira (19) um edital de subvenção de recursos públicos voltado a pequenas empresas no estado de São Paulo, prevendo o desenvolvimento de soluções tecnológicas em três grandes frentes: ecotoxicologia, contaminação de água e uso de dados de precipitação”, explicou.

O painel teve ainda a participação de representantes da Agência Nacional de Águas (ANA), do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap) e da Comissão Europeia.

Por ASCOM