Notícia

Jornal da Ciência online

SBQ lança Prêmio “Vanderlan da Silva Bolzani”

Publicado em 22 março 2019

A Sociedade Brasileira de Química (SBQ) criou seu primeiro prêmio dedicado a reconhecer o trabalho de mulheres que se destacam na química e/ou no fortalecimento da SBQ, uma sociedade científica destacada nacional e internacionalmente. O Prêmio “Vanderlan da Silva Bolzani” será conferido pela primeira vez na 42ª Reunião Anual (de 27 a 30 de maio, em Joinville), e foi instituído pelo recém-criado Núcleo Mulheres SBQ.

Vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Vanderlan da Silva Bolzani é professora titular do Instituto de Química da Unesp em Araraquara e membro do Conselho Superior da Fapesp. Atua há quatro décadas na área de Química de Produtos Naturais – busca de substâncias bioativas; peptídeos de plantas, biossíntese de alcaloides piperidínicos e química medicinal de produtos naturais.

“Essa premiação é um reconhecimento ao meu trabalho acadêmico, e que na verdade é também de meus filhos. Quando pequenos, ficaram sem o convívio materno por muitas horas; tinha que trabalhar, já que meu marido sofreu AVC isquêmico. Cresceram como todas as crianças normais, alegres e irriquietas, fazendo-me crer que entenderam que o amor de mãe não podia ser medido por tempo. Hoje compenso com meus netinhos Julio e Raul”, afirmou Bolzani que também acaba de ser indicada para a coordenação da área de Ciências Químicas da The World Academy of Sciences (TWAS), 2019-2020.

Natural do interior da Paraíba, a professora recorda as dificuldades que teve que superar na vida até chegar aonde chegou. “Agora todo mundo tem creche, mas no meu tempo meu marido muito doente, quando eu tinha apenas 37 anos, estava começando a carreira como professora universitária na Unesp em Araraquara. Com as crianças pequenas, às vezes tinha que trazê-las para a universidade porque não tinha com quem deixar”.

Pensando nas dificuldades adicionais das mulheres para fazer ciência, Bolzani diz que o apoio familiar é importante. “Eu não tinha família em Araraquara, mas nunca deixei de ser uma mãe presente enquanto seguia minha carreira de cientista. O apoio de amigos queridos foi importante. Hoje meus filhos são todos bem sucedidos, minha filha me deu os netinhos que eu amo de paixão. Eles me iluminam e me enchem de felicidade. Precisei aprender a conciliar a vida profissional com a familiar. Nunca foi uma tarefa simples, mas nada instigante é simples”. Prestes a completar 70 anos, a professora diz que pretende em breve se dedicar a escrever um livro com seus poemas, sua outra paixão.

O prêmio da SBQ é a primeira ação do Núcleo de Mulheres da entidade, que já tinha cinco prêmios com nomes de ex-presidentes: Simão Mathias, Ângelo da Cunha Pinto, Fernando Galembeck, Hans Viertler e Jaílson Bittencourt de Andrade. “A Vanderlan facilitou e ainda facilita o caminho de todas nós, uma mulher inspiradora. Nada mais justo que o prêmio leve seu nome”, declara a professora Rossimiriam Freitas (UFMG), vice-presidente da SBQ e uma das coordenadoras do Núcleo, juntamente com a professora Elisa Orth (UFPR).

Uma vida dedicada à química dos produtos naturais

Bolzani dedica-se há mais de 40 anos ao desenvolvimento de pesquisas em química de produtos naturais e química medicinal de produtos naturais. Formada em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em 1973 e doutora (1982) em química orgânica pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), a cientista tem uma extensa experiência em parcerias científicas internacionais: da Universidade Estadual da Virgínia (EUA), à Universidade de Queensland, Universidade de Manchester e a Université Pierre et Marie Curie, Paris VI, na França, onde foi professora visitante em 2011 e 2012. Entre 2008 e 2010 presidiu a Sociedade Brasileira de Química (SBQ) e tornou-se a primeira mulher a exercer a presidência desta Sociedade. Desde 2015 é vice-presidente da SBPC, reeleita em 2017 por mais um mandato. Fellow da Royal Society of Chemistry desde 2009, tornou-se membro da Academia Brasileira de Ciências e Academia de Ciência do Estado de São Paulo em 2011.

Também recebeu as mais prestigiosas premiações na sua área: em 2011, foi outorgada com a Medalha Simão Mathias e com o prêmio Distinguished Woman in Science, da IUPAC/ACS. Em 2013 recebeu o prêmio Elsevier Capes 2013 e foi eleita para a World Academy of Science for Developing Countries, TWAS. Recebeu em 2015 o Prêmio Kurt Politzer de Inovação Tecnológica, categoria pesquisador, da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim).

Em 2017, foi agraciada com o prêmio “Professor Otto Gottlieb”, que reconhece pesquisadores brasileiros que se destacam pelas pesquisas realizadas na área de química de produtos naturais, com resultados que tenham impactado positivamente o desenvolvimento da área no Brasil e no exterior. A premiação foi particularmente emocionante para a pesquisadora, pois Gottlieb foi seu orientador de mestrado e doutorado, uma relação que influenciou profundamente sua carreira acadêmica.

Janes Rocha – Jornal da Ciência