Notícia

MCTIC - Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

SBPC lamenta morte de Amélia Hamburger

Publicado em 05 abril 2011

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) lamenta profundamente a morte de Amélia Império Hamburger, física e pesquisadora, que morreu na última sexta-feira (1º), aos 78 anos. Casada com o também físico Ernst Wolfgang Hamburger, Amélia deixa quatro filhos: Esther, professora da Escola de Comunicações e Artes da Unversidade de São Paulo (USP), Sônia, produtora de cinema, Vera, arquiteta, Cao, cineasta, e Feco, fotógrafo.

Amélia nasceu em 12 de julho de 1932, em São Paulo. Após concluir a graduação no Instituto de Física da USP, em 1954, fez o mestrado na Universidade de Pittsburgh (1956-1960) e o pós-doutorado (1966-1967) na Universidade Carnegie Mellon, nos Estados Unidos. Foi professora no IF-USP, onde foi responsável pela organização dos arquivos históricos do instituto. Essa experiência - além do contato pessoal com alguns dos principais pioneiros da física no Brasil - motivou a produção de importantes textos sobre a história da física, da ciência e da arte no País.

Na SBPC, era membro do Conselho da entidade - função que exerceu diversas vezes. Também foi uma das pessoas que idealizaram o Projeto "Memória" da entidade, que hoje está disponibilizado parcialmente no site da Sociedade.

Entre seus livros estão Obra científica de Mario Schenberg (Edusp, 2008), vencedor do Prêmio Jabuti em 2010 na categoria de Ciências Exatas, Tecnologia e Informática, e A ciência e as relações Brasil-França 1850-1950. Também organizou obras sobre a história da Fapesp: Fapesp 40 anos - Abrindo Fronteiras (Fapesp/Edusp, 2004) e Fapesp, uma história de política científica e tecnológica (Fapesp, 1999), este último com Shozo Motoyana e Marida Nagamini. Com Regina Katz lançou Flávio Império (Edusp, 1999), da série Artistas Brasileiros, sobre o diretor de teatro e pintor de quem era irmã mais velha.