Notícia

Jornal da Unesp

Saúde aqui é mato

Publicado em 01 junho 2001

Prova de que pesquisa científica e saber popular não devem, necessariamente, ser dissociados, este livro estabelece uma relação frutífera entre pesquisadores e moradores da chamada Estação Experimental de Itatinga, mais conhecida como Horto de Itatinga, uma área de 900 alqueires próxima a Botucatu. Propriedades medicinais de plantas como caraguatá, cordão-de-frade, lobeira e jurubeba, entre outras, são debatidas levando-se em conta o saber popular e o saber acadêmico. O engenheiro agrônomo Lin Chau Ming, do Departamento de Horticultura da Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP, câmpus de Botucatu; o ajudante agropecuário do Horto de Itatinga, Ludugero Mendes Lourenço; e a engenheira agrônoma Silvana Bastos, formada pela FCA, registram essas informações num tom leve e bem-humorado, auxiliado pelas ilustrações da artista plástica francesa "Mate", Marie-Thérèse Kowalczyk, pesquisadora da fauna e da flora brasileira. "Conversamos com os moradores do horto e resgatamos suas estórias e experiências", afirma Ming. "Pudemos, assim, conhecer, coletar e identificar as plantas da região, seus usos e características". Horto de Itatinga: estórias e plantas medicinais na vida de seus moradores, de Lin Chau Ming, Ludugero Mendes Lourenço e Silvana Bastos; ilustrado por Marie-Thérèse Kowalczyk; Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP, câmpus de Botucatu: apoio Fapesp. Informações: linming@fca.unesp.br