Notícia

A Folha (São Carlos, SP)

São Paulo vai fortalecer núcleos de excelência científica

Publicado em 10 dezembro 2000

São Paulo - A Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (Fapesp) anunciou uma nova política de pós-doutoramento que visa estimular a inserção imediata dos recém-doutores nos grupos de pesquisa do Estado e incentivar a realização de estágios de aperfeiçoamento no exterior articulados como desenvolvimento de projetos de pesquisa no Estado. Atualmente, além das linhas de regulares de auxílio e bolsas, a Fapesp vem apoiando projetos de grande porte, em praticamente todas as áreas do conhecimento. São cerca de 250 projetos temáticos, 270 projetos Jovens Pesquisadores e 10 Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs), 23 projetos do Biota e 60 laboratórios da rede ONSA. Por meio da oferta de um número significativo de bolsas, a Fapesp espera segurar nas instituições de pesquisa locais os recém-doutores ainda sem vínculo empregatício estável, garantindo condições de integração institucional, ainda que provisória, a tais instituições. Um efeito lateral esperado será a intensificação do processo de atração, para São Paulo, de jovens pesquisadores de outros países, especialmente latino-americanos. Para tanto, aumentou de dois para três anos a duração máxima da linha regular de bolsas de pós-doutoramento no país, e criou modalidades de apoio mais atraentes para os recém-doutores. Assim, as bolsas de pós-doutoramento no país vinculadas aos programas especiais - Projetos Temáticos, Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão, Jovens Pesquisadores, Genoma e Biota tiveram sua duração máxima ampliada para quatro anos. A soma da duração de uma bolsa desse tipo com a de pós-doutoramento no país, da Fapesp ou de outras agências, poderá agora chegar a seis anos. Outro incentivo, que a Fapesp passa a proporcionar à seus bolsistas de pós-doutorado, é a possibilidade de realizar um ou mais estágios de pesquisa no exterior, com duração total de até um ano. O tempo desses estágios não será computado na duração das bolsas. O objetivo é que tais formas de intercâmbio garantam que essa experiência beneficie, da maneira mais direta e imediata, a rede de pesquisa do Estado de São Paulo, favorecendo a articulação de seus temas, métodos e técnicas com aqueles desenvolvidos no exterior.