Notícia

Agência C&T (MCTI)

São Paulo reduz queima de palha de cana

Publicado em 04 abril 2008

Imagens de satélite obtidas por meio do projeto Canasat, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), revelam a redução da queima de palha de cana-de-açúcar no estado de São Paulo.

Por meio de técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento é mapeada a área cultivada, fornecendo informações sobre a distribuição espacial da cultura de cana-de-açúcar. Além de São Paulo, o satélite monitora Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Segundo o Inpe, os dados serviram de base para o Protocolo Agroambiental assinado recentemente pela Organização de Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil (Orplana), pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar de São Paulo (Unica) e pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. O documento estabelece prazos para o fim das queimas nos canaviais em São Paulo e estipula ações de sustentabilidade ambiental.

Os mapas, elaborados pelos técnicos da Divisão de Sensoriamento Remoto do Inpe, mostram a redução da área de queima e, ao mesmo tempo, o avanço da mecanização nos canaviais. "Foram menos 108 mil hectares de área queimada, número 5% menor em relação à safra de 2007. Já a área cultivada cresceu 520 mil hectares", disse Bernardo Rudorff, pesquisador do Inpe.

Foram comparadas as duas últimas safras (2006-2007 e 2007-2008). No total, a colheita sem o uso do fogo ocorreu em 656 mil hectares, significando aumento de 34% para 46% da área total colhida em São Paulo, que foi de 3,79 milhões de hectares.

Evitar a queima da cana significa reduzir a emissão de poluentes. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, a redução da área de queima evitou a emissão de 3.900 toneladas de material particulado, equivalente a 28% da emissão de partículas geradas pela combustão de óleo diesel por veículos na região da Grande São Paulo em 2006.

Fundamental para formular políticas públicas na área, as informações espaciais sobre a cana-de-açúcar são usadas para a previsão e estimativa da área cultivada. O próximo desafio do Canasat é utilizar as imagens para aferir a produtividade e mostrar como se dá o avanço da cultura.

O projeto Canasat utiliza as imagens de sensoriamento remoto para mapear e quantificar a área plantada com a cultura da cana-de-açúcar no estado de São Paulo visando a fornecer informações sobre a distribuição espacial da cana para diversos setores que, direta ou indiretamente, estão envolvidos com o agronegócio do setor.

O projeto foi criado em 2003, em parceria entre Inpe, Unica, Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) e Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP).

As informações estão disponíveis na internet por meio de mapas temáticos com a distribuição espacial da cana e da localização de usinas e destilarias. Mais informações: www.dsr.inpe.br/canasat. (Agência Fapesp)