Notícia

Jornal Joseense News

Santos pode se tornar mais suscetível a inundações

Publicado em 02 outubro 2015

Por Elton Alisson, da Agência FAPESP

O nível do mar na cidade de Santos, no litoral sul paulista, pode aumentar 18 centímetros até 2050 e 36 centímetros até 2100.

A combinação dessa elevação do nível do mar com a ocorrência de eventos meteorológicos extremos associados a ressacas do mar – que estão ocorrendo com maior frequência e intensidade na região desde o final da década de 1990 –, provocarão a inundação permanente de terrenos de planície costeira em várias áreas de Santos, gerando elevados prejuízos socioeconômicos.

As projeções são de um estudo internacional, realizado por pesquisadores do Centro de Monitoramento de Desastres Naturais (Cemaden), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Universidade de São Paulo (USP) e Estadual de Campinas (Unicamp) e Instituto Geológico de São Paulo, em parceria com colegas da University of South Florida, dos Estados Unidos, do King’s College London, da Inglaterra, e técnicos da Prefeitura Municipal de Santos.

Os resultados do estudo, que fazem parte do projeto “Uma estrutura integrada para analisar tomada de decisão local e capacidade adaptativa para mudança ambiental de grande escala: estudos de casos de comunidades no Brasil, Reino Unido e Estados Unidos”, apoiado pela FAPESP, no âmbito de um acordo de cooperação com o Belmont Forum, serão apresentados nesta quarta-feira (30/09) a representantes da sociedade civil de Santos.

Durante o encontro, os pesquisadores mostrarão às autoridades e lideranças locais cenários de projeções de elevação do nível do mar e de impactos econômicos nas regiões sudeste e noroeste de Santos, que serão as mais afetadas pelo problema. A ideia é que os participantes apontem possíveis medidas de adaptação para minimizar os riscos.

“O estudo é inédito por apontar não só como determinadas áreas de Santos poderão ser afetadas por inundações causadas pelo aumento do nível do mar nas próximas décadas, mas também estimar as perdas econômicas”, disse José Marengo, pesquisador titular do Cemaden e coordenador do projeto do lado do Brasil, à Agência FAPESP.

Para estabelecer os cenários, os pesquisadores usaram uma plataforma, chamada COAST (sigla de Coastal Adaptation to Sea Level Rise Tool), desenvolvida por uma empresa americana.

A plataforma é capaz de fazer previsões de danos a ativos econômicos – como, por exemplo, imóveis –, ao longo de um determinado período de tempo, causados por inundações provocadas pela combinação da elevação do nível do mar com a ocorrência de eventos extremos.

Além disso, pode ser usada para calcular os benefícios e custos de diferentes estratégias de adaptação para determinar qual seria a mais indicada.

“A plataforma COAST também está sendo utilizada para estabelecer cenários em Broward, na Flórida, em razão dos furacões que atingem a zona costeira da região, e em Selsey, na Inglaterra, que pode sofrer inundações causadas por tempestades”, disse Marengo.

No Brasil, a cidade de Santos, onde está localizado o maior porto da América Latina, foi escolhida devido a sua importância econômica estratégica para o Estado de São Paulo e para o país, e em razão da disponibilidade de dados necessários para a plataforma COAST fazer as projeções.

“Há muitos municípios costeiros no Brasil que não dispõem de informações sobre mudanças do nível do mar em séries temporais como temos em Santos”, disse Luci Hidalgo Nunes, professora da Unicamp e uma das pesquisadoras participantes do projeto.

Integração de dados

Para fazer as projeções em Santos, a plataforma COAST integra dados de mudanças no nível do mar com projeções de alta resolução para cenários climáticos da cidade até 2100.

Os dados sobre mudanças no nível do mar em Santos foram obtidos por marégrafos na região, no período entre 1945 e 1990, e por altimetria de satélite, entre 1993 e 2013.

As análises dos dados indicaram que no período de 1993 a 2013 o nível do mar em Santos aumentou, em média, 3 milímetros por ano.

No período entre 1993 e 2003 o mar na região subiu 2,7 milímetros por ano. Já entre 2003 e 2013, o aumento foi de 3,6 milímetros por ano, apontaram as análises.

“Essa elevação do nível do mar na costa de Santos está próxima da média global indicada pela altimetria de satélite para todos os oceanos”, disse Joseph Harari, professor do Instituto Oceanográfico (IO) da USP e um dos pesquisadores do projeto.

Já a modelagem de eventos extremos no futuro foi feita por meio de modelos regionais do Inpe, rodados com cenários dos modelos do IPCC para fazer projeções de curto, médio e longo prazo para a Baixada Santista.

“Esse tipo de informação era inédita no Brasil. É a primeira vez que esses dados são obtidos”, afirmou Nunes.

A fim de calcular os possíveis impactos econômicos causados pelas inundações provocadas pelo aumento da altura das marés por meio da plataforma COAST, os pesquisadores selecionaram as zonas noroeste e sudeste de Santos.

A região sudeste, por exemplo – que vai do Boqueirão até a Ponta da Praia –, tem sofrido com erosão costeira acelerada (perda de faixa de praia) desde o começo da década de 1940, com a construção da avenida à beira-mar, conta Celia Regina de Gouveia Souza, pesquisadora do Instituto Geológico de São Paulo e participante do projeto .

Já a região noroeste experimenta inundações durante marés de tempestade especialmente no verão, quando aumenta a frequência de chuvas, explicou Souza.

“São duas áreas com processos hidrometeorológicos, riscos, usos do solo, respostas geológicas e geomorfológicas, usos do solo e populações diferentes. Portanto, as medidas de adaptação também serão diferentes”, disse Souza.

Os dados para estimar as perdas econômicas nas duas regiões, como danos estruturais em edifícios causados pela elevação do nível do mar, foram fornecidos pela prefeitura de Santos, por meio das secretarias de Finanças, Infraestrutura e edificação, Desenvolvimento Urbano, Meio Ambiente e Defesa Civil.

“A participação do poder público é fundamental em um projeto como esse e a prefeitura foi uma grande parceira. Como contrapartida por terem nos fornecido os dados e colaborar conosco no projeto, eles receberão um instrumento de planejamento para gestão costeira muito robusto”, avaliou Souza.