Notícia

IstoÉ

Saída contra fome

Publicado em 09 dezembro 2020

Por Fernando Lavieri

Agricultora Quitéria Alves de Araujo, 37, mora na comunidade de Caraibeirinha, na cidade de Inajá, no sertão pernambucano. A região é quente, seca e pode ficar mais de seis meses sem uma boa chuva para adubar o chão de terra batida e garantir abundância de água para uso doméstico e para a agricultura. Mas essa dificuldade foi superada por Quitéria no ano passado, quando ela passou a utilizar o Sistema Integrado de Produção de Alimento, o Sisteminha. O esquema utiliza o mínimo espaço disponível e pouco dinheiro, além de garantir uma produção regular. “Aqui era assim, a gente dependia da chuva para plantar o milho e o feijão”, diz Quitéria. Agora, os alimentos consumidos pela família saem do quintal para a mesa, tudo sem agrotóxicos: tilápia, verduras, legumes, ovos, galinha. “Hoje temos fartura”, conta.

Quinze módulos

O equipamento de nome singelo nasceu em 2002 na Universidade Federal de Uberlândia, em Minas Gerais, por iniciativa de Luiz Carlos Guilherme, zootecnista e pesquisador da Embrapa. A intenção era fornecer um equipamento de combate à fome de fácil acesso e simples de usar. O núcleo do sistema é o tanque de água para criação de peixes. O Sisteminha pode ser composto por quinze módulos que se complementam e podem ser montados em vários formatos e sofrer adequações de acordo com o local de instalação. Por causa da água, esses módulos “conversam entre si”, de modo que o resíduo que sai de um módulo é utilizado como recurso ou insumo para a outra atividade. Guilherme explica que uma unidade mínima do Sisteminha tem um tanque para criação de 150 peixes, um galinheiro para vinte aves, uma pequena área para compostagem, um minhocário e uma plantação de vegetais que inclui além das hortaliças, legumes, tubérculos e frutas.

No quintal de Karla Caetano, 45, também agricultora familiar, moradora da cidade goiana de Flores de Goiás, o Sisteminha completou cinco anos e a família tem farta produção de alimentos, inclusive mel de abelha. “Temos alimentação saudável o ano todo”, diz. O segredo para a produção está no biofiltro do tanque que trata a água de forma física, filtrando partículas orgânicas produzidas pelos peixes, e biológica, para livrar a água de amônia. A cada quinze dias, dependendo do tamanho e da idade dos peixes, retira-se do tanque o conteúdo sólido que é direcionado para a compostagem, liberando grande quantidade de nutrientes para as plantas. Guilherme explica que ao se irrigar os vegetais com essa água o produtor faz uma “fertirrigação”. “Essa água é rica em nutrientes e minerais”, diz. O Sisteminha funciona muito bem e além de já estar presente em onze estados brasileiros, funciona hoje em sete países da África.

Fonte: FAPESP

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
IstoÉ online Brasil Amazônia Agora Geografia Hoje