Notícia

Tribuna (Ribeirão Preto, SP) online

RP pode virar ‘epicentro’ da covid-19

Publicado em 04 junho 2020

Por Redação Tribuna

O potencial de propagação da covid-19 em cidades como Ribeirão Preto (SP), Campina Grande (PB) e Caruaru (PE) equivale ao das capitais de alguns estados do país. Os três municípios são cidades-polo, com grande concentração de indústrias, comércio e serviços, e têm importância estratégica na dinâmica de mobilidade regional, medida pelas fortes conexões que possuem com diversos outros municípios em termos de fluxo de pessoas.

Por isso, desempenham um papel central no processo de interiorização de casos do coronavírus no país, com grande possibilidade de virar epicentro da covid-19, aponta um estudo feito por pesquisadores das universidades Federal de Ouro Preto (Ufop) e Estadual Paulista (Unesp), campus de São José dos Campos, em colaboração com colegas do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

Resultado de um projeto temático apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, o estudo publicado na plataforma medRxiv, ainda sem revisão por pares. “Essas cidades podem ajudar a acelerar e amplificar a interiorização da epidemia de covid-19 ao servir de atalho para a propagação da doença para diversos outros municípios com os quais têm conexões”, diz Leonardo Bacelar Lima Santos, pesquisador do Cemaden.

Ribeirão Preto é a terceira do Estado de São Paulo mais suscetível à propagação do Sars-CoV-2, segundo o estudo, atrás da capital e de Campinas, cidades com mais de um milhão de habitantes. Para identificar as cidades brasileiras mais vulneráveis à disseminação do coronavírus, os pesquisadores analisaram a mobilidade entre municípios das regiões Sudeste, Sul, Nordeste e Centro-Oeste, baseada em uma abordagem de redes.

As redes de conexão entre municípios foram construídas a partir de dados de mobilidade terrestre obtidos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que fornece informações sobre os fluxos de pessoas entre as cidades por diversos modais.

As cidades foram representadas nas redes por nós e as conexões entre elas como arestas (segmentos de encontro dos nós). Somente no Estado de São Paulo, o estudo analisou dados de 623 municípios, e considerou os casos confirmados da covid-19 na sequência, que foram documentados até 1º de maio, para analisar as principais rotas de dispersão da doença.