Notícia

Jornal da USP online

Risco de covid grave é alto em obesos a despeito de idade, sexo, etnia e doenças associadas

Publicado em 14 setembro 2020

Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 25 (sobrepeso) favorece evolução da doença para quadros mais graves e aumenta risco de morte

A obesidade pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver a forma mais grave da covid-19, é o que afirmam pesquisadores brasileiros na revista Obesity Research & Clinical Practice. O artigo é fruto de revisão sistemática da literatura científica com metanálise que incluiu dados de nove estudos clínicos, que relatam a evolução de 6.577 pacientes infectados pelo sars-cov-2 em cinco países. A pesquisa foi coordenada pela professora Sílvia Helena de Carvalho Sales-Peres, da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP.

A suscetibilidade ao vírus acontece porque quando o Índice de Massa Corporal (IMC) está acima de 25 os indivíduos podem apresentar alteração da produção de anticorpos e algum grau de inflamação crônica que favorece o desenvolvimento da doença. O IMC é calculado dividindo o peso (em quilos) do paciente pela altura (em metros) ao quadrado. De modo geral, para adultos, em resultados a partir de 25, os indivíduos são considerados com sobrepeso. A análise mostrou também que o indivíduo obeso tem mais chances de apresentar doenças como diabete e hipertensão.

Os obesos costumam ter o sistema respiratório prejudicado pois o tecido adiposo comprime o diafragma e dificulta a movimentação normal do órgão. Nos estudos analisados, 9,4% dos obesos infectados pelo novo coronavírus, internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), foram a óbito. 

Clique aqui e confira a reportagem completa de Karina Toledo no site da agência Fapesp.