Notícia

ABIPTI - Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação

Riqueza de espécies de peixes na bacia amazônica segue padrão inesperado

Publicado em 11 outubro 2019

Colaboração internacional resultou no maior inventário sobre a ictiofauna local; dados ajudam na avaliação de risco de impactos relacionados à construção de hidrelétricas, hidrovias, desmatamento, mineração e mudanças climáticas (foto: Felipe Rocha)

A bacia amazônica concentra a maior diversidade de peixes de água doce do mundo: são 2.257 espécies descritas ou 15% do total conhecido pela ciência para o hábitat de água doce em todo o mundo. No entanto, um novo estudo descobriu que essa grande variedade de espécies está distribuída de modo desigual na Amazônia, seguindo um padrão completamente diferente do esperado.

A constatação foi feita por pesquisadores que integram o projeto de colaboração internacional Amazon Fish, apoiado pela FAPESP, cujo objetivo é construir a maior base de dados de alta qualidade sobre peixes amazônicos.

De acordo com o modelo de distribuição desenvolvido pelos pesquisadores do Amazon Fish, a riqueza de espécies está concentrada a oeste da bacia (lado da nascente) e, uma menor porção, está a leste (onde está a foz).

Liderado por cientistas do Institut de Recherche pour le Développement (IRD), da França, e o ERANet-LAC, o projeto conta com a colaboração de pesquisadores dos países que abrigam a bacia amazônica (Brasil, Peru, Colômbia, Equador, Venezuela, Guiana e Bolívia) e também da Bélgica. Os resultados mais recentes foram publicados na revista Science Advances.

“Pelo padrão clássico, a distribuição da riqueza de espécies nos rios se concentra próximo à foz, onde a vazão de água é maior e, portanto, suportaria uma maior quantidade de espécies. No entanto, nossos dados mostram uma tendência invertida desse padrão para a bacia amazônica. É na porção ocidental (a oeste do Arco do Purus, relativamente próximo a Manaus) em que há maior concentração de espécies. Além disso, mostramos que os peixes não estão igualmente distribuídos na bacia e que os endemismos, por exemplo, estão concentrados na parte alta das grandes bacias, como Negro, Madeira, Xingu, Tapajós – regiões com maior quantidade de cachoeiras e fortemente ameaçadas pela construção de hidrelétricas”, disse Gislene Torrente-Vilara, professora do Departamento de Ciências do Mar da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e pesquisadora responsável pela Plataforma Amazon Fish, apoiada pela FAPESP.

Rio abaixo

O padrão inesperado de distribuição sugere que os processos de surgimento de novas espécies foram mais intensos em um lado da bacia. Para confirmar as possíveis hipóteses que explicassem a distribuição da variedade de peixes na região, o grupo analisou a diversidade de peixes em 97 sub-bacias que integram a bacia amazônica e correlacionou os dados com as variáveis históricas de clima e da formação da bacia. Os pesquisadores também testaram o padrão de aumento na riqueza de espécies, que foi testado para 15 famílias de peixes, das quais 14 (cerca de 78% das 2.257 espécies) coincidem com esse modelo.

De acordo com o artigo, um dos prováveis motivos do padrão inesperado de dispersão de espécies está no fato de historicamente (na escala de tempo geológico) ter havido maior estabilidade climática, sobretudo durante eventos dos Últimos Máximos Glaciais (GLMs), na porção oeste da bacia amazônica.

Outro achado do estudo tem relação com a drenagem das águas. “A ocorrência de diversificação mais intensa na porção oeste da bacia sugere que a drenagem das águas pode ser considerada recente o suficiente para que as espécies não tenham tido tempo suficiente para colonizar todo o sistema rio abaixo”, disse Torrente-Vilara.

De acordo com a dinâmica dos rios, eles nascem em áreas de maior altitude (cadeia de montanhas, por exemplo) e drenam suas águas para uma parte mais baixa, seguindo em direção ao mar. No entanto, Torrente-Vilara destaca que, na Amazônia, os rios de águas pretas e claras nos escudos da Guiana e central brasileiro correm para a calha Solimões-Amazonas. Já o rio Solimões-Amazonas, que possui águas brancas, é originário das nascentes situadas na região andina.

Dessa forma, a junção dos diferentes tipos de água deveria acumular espécies e concentrar uma maior riqueza na porção baixa do sistema próximo ao Oceano Atlântico. “Porém, não foi o que encontramos no nosso estudo. O padrão que descrevemos para os peixes da Amazônia parecia ser contraintuitivo quando comparamos ao que tem sido descrito para outras bacias hidrográficas pelo mundo, mas fez sentido quando observamos o efeito das variáveis históricas nos modelos”, disse Torrente-Vilara, à Agência FAPESP.

De acordo com a pesquisadora, também é preciso levar em consideração outro fator histórico: a existência do lago Pebas, formado há aproximadamente 23 milhões de anos. “Originalmente, o rio Amazonas [Proto Amazonas] tinha uma posição completamente diferente da observada nos dias atuais, pois sua drenagem corria sentido bacia do Maracaibo, na Venezuela, ao norte da Amazônia. Não há um consenso sobre quando houve a mudança de seu curso no sentido atual, mas ela tem sido estimada entre 9 e 2,5 milhões de anos atrás. Os padrões que encontramos para a ictiofauna sugerem que essa mudança no curso do rio é muito recente – para os padrões geológicos”, disse.

A título de comparação

Além da compilação massiva para construir a base de dados e da colaboração de cientistas de diversos países, o projeto também contou com resultados surpreendentes de expedições realizadas para cobrir hiatos de amostragem na bacia, referentes a áreas que tinham pouca ou nenhuma informação sobre a fauna de peixes. “Em uma única expedição de 18 dias na bacia do rio Javari, por exemplo, inventariamos 430 espécies, sendo 23 novos registros para a ciência”, disse Torrente-Vilara.

De acordo com a cientista, além de ser a maior base de dados de peixes amazônicos do mundo, o projeto Amazon Fish gera um marco histórico sobre os padrões naturais de distribuição da ictiofauna na bacia, permitindo comparações futuras sobre os efeitos de impactos antrópicos na distribuição das espécies, endemismo e conservação dos peixes.

“Ao recontar a história e a formação da bacia sob o ponto de vista da ictiofauna, os dados atuais disponíveis poderão ajudar a medir impactos advindos dos efeitos do desmatamento, da construção de hidrelétricas, hidrovias, minerações, entre outros impactos antrópicos, bem como aqueles relacionados às mudanças climáticas. Medir os efeitos do impacto de ações do homem implica conhecer como o ambiente e a sua fauna eram antes do evento”, disse.

O artigo Unexpected fish diversity gradients in the Amazon basin (doi: 10.1371/journal.ppat.1007934), de Thierry Oberdorff, Murilo S. Dias, Céline Jézéquel, James S. Albert, Caroline C. Arantes, Rémy Bigorne, Fernando M. Carvajal-Valleros, Aaike De Wever, R. G. Frederico, Max Hidalgo, Bernard Hugueny, Fabien Leprieur, Mabel Maldonado, Javier Maldonado-Ocampo, Koen Martens, Hernan Ortega, Jaime Sarmiento, Pablo A. Tedesco, Gislene Torrente-Vilara, Kirk O. Winemiller, Jansen Zuanon, pode ser lido através do link.

Fonte: Fapesp