Notícia

Agência Estado

Revista da Fapesp chega à 100a Edição

Publicado em 14 junho 2004

São Paulo - A revista Pesquisa fapesp, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, comemora nesta segunda-feira o lançamento de sua 100a edição, com uma festa no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo. Na ocasião, será lançado o livro "Prazer em Conhecer" com uma seleção de entrevistas publicadas pela revista em todos esses anos. A organização editorial do livro é de Mariluce Moura, atual diretora de redação da revista, com a colaboração do editor-chefe Neldson Marcolin, a editora sênior Maria da Graça Mascarenhas e o diretor de Arte Hélio de Almeida. A Revista Pesquisa Fapesp, cujo principal objetivo é divulgar resultados, desafios e problemas das pesquisas realizadas sob a tutela da entidade, tem uma tiragem de 44 mil exemplares, sendo 15 mil vendidos em bancas. Cerca de 23 mil são distribuídos gratuitamente para os pesquisadores e técnicos subvencionados pela Fundação, que reúne 17 mil doutores e 6 mil bolsistas de diferentes níveis. Os assinantes pagos somam 2 mil. "Calculo que nosso público geral reúne 70 mil pesquisadores, significativos gestores de ciência e tecnologia do Brasil", afirma Mariluce. ''O alcance da edição número 100 explica por si mesmo o sentido cultural e social desta publicação", destaca Mariluce. Sua equipe atual é formada por 19 profissionais, todos jornalistas, que buscam clareza e estilo nas matérias. "Após passar pelo editor, elas voltam para o pesquisador apenas para a revisão técnica. O estilo continua a cargo da nossa redação", esclarece a jornalista. A Pesquisa Fapesp espera exercer um papel importante para a conexão entre ciência, governo e empresas, na medida em que conscientiza a população sobre a importância e necessidade dessa ou daquela pesquisa, estimulando novos investimentos e o conseqüente desenvolvimento científico e tecnológico. Quando o cientista divulga o seu trabalho presta contas à sociedade daquilo em que ela investiu. Isso cria uma cumplicidade de que tudo o que é investido acaba retornando em benefícios. Publicações deste gênero também incentivam os professores do ensino médio a se manterem atualizados quanto aos avanços científicos e contribuem para a melhoria da educação. Origem A origem da revista Fapesp remonta a 1995, quando foi proposta a criação de um boletim informativo sobre as diretrizes e metas da Fundação, que foi denominado Notícias Fapesp. O primeiro número tratou de bolsas no exterior e de jovens pesquisadores em quatro páginas. Teve uma tiragem inicial de 1.000 exemplares. O segundo, seis páginas e 2.000 exemplares. Em 1996, o sexto número apresentou a primeira matéria sobre os resultados de um projeto temático "A flora e a fauna orgânica de São Paulo", com a participação do próprio pesquisador. Em 1998, o boletim alcançou 16 páginas e 10 mil exemplares. O boletim virou revista no número 47, em outubro de 1999. O primeiro exemplar da revista Pesquisa Fapesp saiu com 44 páginas e um encarte sobre jornalismo científico, com tiragem de 22 mil exemplares. Com a revista, em julho de 2000, a Fapesp ganhou o Prêmio José Reis de Divulgação Cientifica na modalidade instituição. Maria Inês Migliaccio