Notícia

Página Rural

Resultados de projeto de revitalização da cadeia vitivinícola serão apresentados em São Roque

Publicado em 09 dezembro 2009

Os resultados do projeto Revitalização da Cadeia Vitivinícola Paulista serão apresentados neste 10 de dezembro (quinta-feira), às 13 horas, em São Roque, durante reunião extraordinária da Câmara Setorial de Uva e Vinho, uma das 28 que funcionam no âmbito da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (Codeagro), com a presença do secretário em exercício, Antonio Julio Junqueira de Queiroz.

Pesquisadores dos institutos da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios da Secretaria (Apta/SAA) - de Economia Agrícola (IEA), Agronômico (IAC), de Tecnologia de Alimentos (Ital) - e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) vão abordar diferentes aspectos do projeto: censo vitivinícola paulista, experimentos de campo e inovações, análises químicas dos vinhos paulistas, avaliação microbiológica do mosto e do vinho paulista e caracterização molecular de cultivares. Um representante do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) vai falar das ações do setor de vinhos e bebidas do Governo Federal.

O projeto é estruturado no tripé secretarias do governo estadual e de governos municipais, institutos de pesquisa/universidade e produtores (viticultores e vinicultores).

Além dos institutos, o projeto tem como parceiros a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral da Pasta (Cati) e a prefeitura de São Roque. Conta com apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e apoio da Federação das Indústrias (Fiesp), Instituto SPVinho, Sindicatos da Indústria de Vinho de Jundiaí (Sindvinho) e de São Roque (Sindusvinho), Associação dos Produtores de Vinhos Artesanais de Caxambu/Jundiaí, Associação Nacional dos Engarrafadores de Vinho (Anev), Cooperativa Sul Brasil, de São Miguel Arcanjo, e prefeituras de Jundiaí e Jarinu.

Nessa segunda fase, com duração de dois anos, foram levantadas 945 propriedades com uva e 140 vinicultores nos municípios de Jundiaí, São Miguel Arcanjo, Jarinu e São Roque, segundo a pesquisadora e coordenadora do projeto, Adriana Renata Verdi, do IEA.

O projeto Pró-Vinho teve como foco apontar os gargalos e as potencialidades da cadeia de produção do vinho no Estado, bem como as possíveis ações das instituições envolvidas para o desenvolvimento do setor, diz Verdi. Essa modalidade - o programa de políticas públicas da Fapesp - é composta de três fases.

A primeira, de seis meses, foi para acertar a equipe e desenvolver os itens preparatórios da pesquisa. Nós elaboramos questionários, identificamos os agentes-elos básicos da cadeia, por onde nós iríamos começar. Decidimos iniciar pelo produtor de uva, pelo produtor de vinho e pelo viveirista. Nós selecionamos esses agentes-elos, elaboramos três questionários (um para cada agente) e definimos uma equipe, a composição institucional, acertamos os apoios ao projeto. Essa fase durou seis meses.

A segunda fase é a pesquisa propriamente dita: a aplicação dos questionários, a composição da cadeia de produção do vinho, as análises das informações e a proposição de políticas públicas. O objetivo final é o encaminhamento de políticas, resume a pesquisadora do IEA. E a terceira fase será a implementação das políticas pelas instituições competentes, parceiras do projeto, principalmente os governos estadual e municipais. São Paulo já deu um grande passo com a organização da Câmara Setorial pela Secretaria, para promover o diálogo entre esses agentes. Isso foi fundamental. Uma das propostas do projeto é investir na produção de uva (zoneamento, variedades etc), fundamental para criar a identidade do vinho paulista.

Uma das potencialidades identificada é a exploração do enoturismo (turismo do vinho), aproveitando as iniciativas em andamento por parte de prefeituras e organizações de produtores. Assim, a idéia é desenvolver o turismo de uva e vinho, aliado à gastronomia local, por meio de roteiros de visitas (por exemplo, a vinícolas e produtores de uva, licores e doces caseiros) e festas da uva e do vinho, entre outras ações. São Roque, por exemplo, chega a receber cerca de três mil pessoas por fim de semana.

O evento é coordenado pelas pesquisadoras Adriana Verdi, Malimiria Norico Otani e Maria Lucia Maia e será realizado no Centro Educacional e Cultural Brasital - Av. Acaraí, 250, Centro - São Roque. (Texto: Assessoria de Comunicação da Apta. Mais informações em www.apta.sp.gov.br)

PROGRAMAÇÃO

13h

Abertura

Censo vitivinícola paulista: Adriana Renata Verdi - IEA

Resultados dos experimentos de campo e inovações na condução e poda de variedades de videira em São Paulo - Marco Antonio Tecchio (Centro de Fruticultura) e Antonio Odair Santos (Centro de Engenharia e Automação) - IAC

Resultados das análises químicas dos vinhos paulista - Gisele Anne Camargo - Ital.

Avaliação microbiológica do mosto e do vinho paulista - Cláudio Luiz Messias - Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp

Caracterização molecular de cultivares de videira - Haiko Enok Sawazaki - IAC

Informações do Setor de Vinhos e Bebidas - representante do Mapa

Fonte: SAA/SP