Notícia

O Globo online

Resenha de Azul, de Rubén Darío

Publicado em 24 janeiro 2011

Por Wilson Alves-Bezerra*, para o Prosa & Verso
Havia, na segunda metade do século XIX, um escritor nicaraguense que lia Baudelaire, Verlaine, Mallarmé, Rimbaud, Lautréamont, Poe e Withman. Ele escrevia poemas, contos e artigos nos quais se percebiam tais leituras. O leitor brasileiro se assanha, e logo se pergunta se essa figura, que em nossas terras é ainda obscura, era um poeta maldito, censurado, inédito. A resposta é negativa, trata-se de um dos autores mais celebrados da língua espanhola; considerado o mais importante poeta desde o século 17. Trata-se de Rubén Darío [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.