Notícia

A Tribuna (Santos, SP) online

Repolho, uva e cereja

Publicado em 12 fevereiro 2007

De acordo com a pesquisadora, o novo plástico-filme possibilitará a fabricação de embalagens que, além de proteger, interagem com o produto, agregando novas utilidades. Um exemplo é a ação antimicrobiana.
"Adicionamos ao material da embalagem produtos como cravo e canela, que são antimicrobianos naturais. O resultado é um aumento da vida útil do produto na prateleira", explicou.
Para a mudança de cor da embalagem, os pesquisadores utilizaram extratos naturais de repolho roxo, uva e cereja. "São pigmentos do grupo das antocianinas, que mudam de cor com o pH". Dessa forma, partes não utilizadas dessas frutas e vegetais, que acabavam no lixo, podem ter agora um destino muito mais nobre e racional.
Nos últimos anos, a busca de um polímero natural biodegradável tem sido uma tendência mundial. Só o Brasil consome cerca de quatro milhões de toneladas de plástico, e recicla apenas 16,5% desse total, de acordo com a Associação Brasileira de Embalagens. (Com Fábio de Castro, Agência Fapesp).