Notícia

Revista Canavieiros

Relatório mundial sobre energia e sustentabilidade aponta etanol como exemplo

Publicado em 01 agosto 2015

Um amplo relatório sobre biocombustíveis, com mais de 700 páginas, composto por 137 especialistas de 82 instituições de pesquisa em 24 países e que aponta o etanol como alternativa positiva para a sustentabilidade do planeta. Este é o resultado de um trabalho que se propõe a discutir questões polêmicas sobre sustentabilidade, competição por terra e produção de alimentos e que resultou na obra Bioenergy & Sustainability (Bioenergia e Sustentabilidade), patrocinada pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e pelo SCOPE (sigla em inglês para Comitê Científico para Problemas do Ambiente), ligado à UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

O trabalho, em inglês, coordenado pelos cientistas Gláucia Mendes Souza, Reynaldo L. Victoria, Carlos A. Joly e Luciano M. Verdade, membros de programas de pesquisa sobre bioenergia, mudanças climáticas e biodiversidade, foi lançado em abril na sede da FAPESP, em São Paulo-SP, e em maio em Bruxelas, capital da Bélgica. A próxima divulgação está prevista para Washington, EUA.

“Trata-se de um amplo painel acerca do tema no mundo, mostrando o papel importante da bioenergia para a mitigação dos efeitos do aquecimento global, criação de riquezas no meio rural e das muitas outras oportunidades que o desenvolvimento da bioenergia pode oferecer”, explica Heitor Cantarella, diretor do Centro de Solos e Recursos Ambientais do IAC (Instituto Agronômico de Campinas) e um dos autores do trabalho. “Procurou-se fazer um documento isento, com informações científicas sobre o assunto. Considerações e recomendações são dadas para entidades governamentais no sentido de estimular a correta implantação de iniciativas para a produção de bioenergia, incluindo, como exemplo positivo, o etanol brasileiro”.

O relatório

Com base em mais de duas mil referências e estudos, o relatório fornece uma análise abrangente de tecnologias e práticas atuais da bioenergia, incluindo produção, sistemas e mercados, além do potencial de expansão sustentável e de maior adoção da bioenergia, em paralelo com uma revisão crítica de seus impactos.

O relatório está dividido em seções. A primeira é uma apresentação e a segunda, um Sumário Executivo, abrangendo o Sumário Técnico e os números da bioenergia – amplo levantamento de dados de produção atual de biomassa e de uso da terra, de tecnologias de conversão e das necessidades futuras, considerando benefícios sociais e ambientais. Em seguida, o volume traz discussões de temas transversais, cada um com suas respectivas conclusões e recomendações: segurança energética, bioenergia e segurança alimentar, segurança ambiental e climática, desenvolvimento sustentável e inovação e as lacunas do conhecimento para expansão sustentável da bioenergia.

Entre as conclusões estão a confirmação do valor da bioenergia como alternativa energética e para redução de impactos provocados pela queima de combustíveis fósseis; as possibilidades de aumentar a segurança energética e diminuir efeitos das mudanças climáticas, o que também contribuiria para compensar o desmatamento, a degradação de terras cultivadas e pastagens e a emissão de gases do efeito estufa; e, ainda, que existem áreas suficientes para ampliar o cultivo da biomassa, que a maioria dessas terras está na América Latina e África e que seu uso não representaria ameaças à segurança alimentar e à biodiversidade.

O trabalho, totalmente gratuito, está na internet e pode ser consultado pelo link: http://bit.ly/bioenfapesp RC

Da redação, com informações da FAPESP