Notícia

Ao vivo de Brasília

Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular

Publicado em 19 janeiro 2019

Por Camila Maciel

Ao vivo de Brasília

Mesmo em pessoas saudáveis

Publicado

em

19/01/2019 - 09:33

Por

Redação

Share Tweet

Foto/Imagem: Ginecomastia.org

Camila Maciel

O acúmulo excessivo de gordura na região abdominal já é um conhecido indicador de risco para doenças cardiovasculares. A medida, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não deve ultrapassar 94 centímetros (cm) nos homens e 90cm nas mulheres. Um novo estudo, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no entanto, identificou que pessoas fisicamente ativas e sem sobrepeso, mas com valores de relação cintura-estatura (RCE) próximos ao limite do risco também têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios no coração.

O RCE é obtido pela divisão da circunferência da cintura pela estatura. “Até então, os valores acima de 0.5 indicavam alto risco de desenvolver alguma doença cardiovascular ou metabólica. Os valores abaixo de 0.5 indicavam que a pessoa tinha aparentemente menor risco”, explicou Vitor Engrácia Valenti, professor da Unesp de Marília e coordenador da pesquisa. Para o estudo foram selecionados 52 homens saudáveis e fisicamente ativos, com idade entre 18 e 30 anos.

Segundo Valenti, estudos recentes sugerem que a RCE fornece informações mais precisas de riscos cardiovasculares do que o Índice de Massa Corporal (IMC), que avalia a distribuição de gordura pelo corpo. “O resultado que encontramos chama a atenção daquelas pessoas que acham que [estão fora dos grupos de risco] por não ter barriga, mas não fazem atividade física ou mantêm hábito alimentar saudável. Mesmo sem barriga, pode ser um risco”, alertou o professor com base no trabalho.

O estudo, que tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foi feito em colaboração com a Oxford Brookes University, na Inglaterra, e publicada na revista Scientific Reports.

Os participantes do trabalho foram divididos em três grupos: o primeiro, composto por homens com menor percentual de gordura corporal e com RCE entre 0,40 e 0,449; o segundo, formado por homens com RCE entre 0,45 e 0,50, próximo ao limiar de risco; e o terceiro, por homens com RCE acima do limite de risco, entre 0,5 e 0,56. “Nós avaliamos parâmetros fisiológicos do sistema nervoso autônomo, por meio do ritmo do coração, antes e durante uma hora após a recuperação do exercício”, explicou Valenti.

Eles foram avaliados durante dois dias. No primeiro exercício, os participantes tiveram que permanecer 15 minutos sentados e em repouso e, em seguida, fizeram uma corrida com esforço máximo em uma esteira ergométrica. O objetivo era constatar que todos eram fisicamente ativos. Embora não fossem atletas, mantinham atividades regulares. Em seguida, teriam que ficar em repouso por 60 minutos.

No segundo dia, foram submetidos a um exercício físico moderado: uma caminhada de 30 minutos em uma esteira. A intensidade seria de aproximadamente 60% do esforço máximo. A intenção era observar, durante o repouso e a primeira hora após os exercícios, a velocidade de recuperação cardíaca autonômica. “Quanto mais tempo o organismo demora para se recuperar após o exercício, isso é indicativo de que essa pessoa tem probabilidade maior de desenvolver doença cardiovascular, como hipertensão, infarto, AVC”, disse o pesquisador.

Os resultados mostraram que os grupos com RCE próximo e acima do limite de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas apresentaram recuperação cardíaca autonômica mais lenta, tanto no esforço máximo quanto no moderado. “Mesmo aqueles saudáveis e fisicamente ativos, que não tinham sobrepeso e nem obesidade, mas que tinham valores de normalidade mais próximos dos valores de risco, tinham risco maior do que aquele grupo que era composto por indivíduos com menor tamanho de cintura e estatura”, destacou Valenti.

O pesquisador explicou que este é um estudo inicial, mas com “fortes evidências” da necessidade de rever os valores de referência. “Vamos sugerir agora que ele seja feito em outros países, com outra população, em outras condições. Aqui verificamos na população brasileira. Se pensarmos na população da China, do Japão, que tem cultura diferente, costumes diferentes, não podemos generalizar com base nos resultados apenas dos brasileiros”, advertiu.

A obesidade é considerada uma epidemia global pela OMS. Estima-se que 1,9 bilhão de adultos tenham sobrepeso, dos quais 600 milhões estão obesos. No Brasil, a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) de 2017, do Ministério da Saúde, mostrou que 18,9% dos brasileiros estão obesos. Além disso, mais da metade da população das capitais brasileiras (54%) têm excesso de peso.

Publicidade

O alerta

Publicado

em

19/01/2019 - 09:11

Por

Redação

Foto/Imagem: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Surtos de doenças preveníveis por vacinação, altas taxas de obesidade infantil e sedentarismo, além de impactos à saúde causados pela poluição, pelas mudanças climáticas e pelas crises humanitárias. Estes são alguns dos itens que integram a lista das 10 principais ameaças à saúde global em 2019, divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A entidade pretende colocar em prática um novo plano estratégico, com duração de cinco anos, com o objetivo de garantir que 1 bilhão de pessoas a mais se beneficiem do acesso à saúde e da cobertura universal de saúde; estejam protegidas de emergências de saúde; 1 bilhão desfrutem de melhor saúde e bem-estar.

De acordo com a OMS, são as seguintes as questões que vão demandar mais atenção da organização e de seus parceiros neste ano:

A estimativa da Organização Mundial da Saúde é que nove em cada 10 pessoas respiram ar poluído todos os dias. Poluentes microscópicos podem penetrar nos sistemas respiratório e circulatório, danificando pulmões, coração e cérebro, o que resulta na morte prematura de 7 milhões de pessoas todos os anos por enfermidades como câncer, acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares e pulmonares.

Dados da entidade mostram que doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, câncer e doenças cardiovasculares, são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo – o equivalente a 41 milhões de pessoas. Isso inclui 15 milhões de pessoas que morrem prematuramente (entre 30 e 69 anos), sendo que mais de 85% dessas mortes prematuras ocorrem em países de baixa e média renda.

O mundo enfrentará outra pandemia de influenza – a única coisa que ainda não se sabe é quando chegará e o quão grave será. O alerta é da própria OMS, que diz monitorar constantemente a circulação dos vírus para detectar possíveis cepas pandêmicas.

A entidade destacou que mais de 1,6 bilhão de pessoas – 22% da população mundial – vivem em locais com crises prolongadas (uma combinação de fatores como seca, fome, conflitos e deslocamento populacional) e serviços de saúde mais frágeis. Nesses cenários, metade das principais metas de desenvolvimento sustentável, incluindo saúde infantil e materna, permanece não atendida.

A resistência antimicrobiana – capacidade de bactérias, parasitos, vírus e fungos resistirem a medicamentos como antibióticos e antivirais – ameaça, segundo a OMS, mandar a humanidade de volta a uma época em que não conseguia tratar facilmente infecções como pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose. “A incapacidade de prevenir infecções pode comprometer seriamente cirurgias e procedimentos como a quimioterapia”, alertou.

No ano passado, a República Democrática do Congo passou por dois surtos de ebola, que se espalharam para cidades com mais de 1 milhão de pessoas. Uma das províncias afetadas também está em zona de conflito ativo. Em dezembro, representantes dos setores de saúde pública, saúde animal, transporte e turismo pediram à OMS e seus parceiros que considerem 2019 um “ano de ação sobre a preparação para emergências de saúde”.

Sistemas de saúde com atenção primária forte são classificados pela entidade como necessários para se alcançar a cobertura universal de saúde. No entanto, muitos países não têm instalações de atenção primária de saúde adequadas. Em outubro de 2018, todos os países-membro se comprometeram a renovar seu compromisso com a atenção primária de saúde, oficializado na declaração de Alma-Ata em 1978.

Segundo a OMS, a relutância ou a recusa para vacinar, apesar da disponibilidade da dose, ameaça reverter o progresso feito no combate a doenças evitáveis por imunização. O sarampo, por exemplo, teve aumento de 30% nos casos em todo o mundo. “[A vacina] é uma das formas mais custo-efetivas para evitar doenças – atualmente, previnem-se cerca de 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano”, diz a OMS. Além disso, 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance.

Um grande número de casos de dengue é comumente registrado durante estações chuvosas de países como Bangladesh e Índia. Dados da OMS mostram que, atualmente, os casos vêm aumentando significativamente e que a doença já se espalha para países menos tropicais e mais temperados, como o Nepal. A estimativa é que 40% de todo o mundo esteja em risco de contrair o vírus – cerca de 390 milhões de infecções por ano.

De acordo com a entidade, apesar dos progressos, a epidemia de Aids continua a se alastrar pelo mundo, com quase 1 milhão de pessoas morrendo por HIV/aids a cada ano. Desde o início, mais de 70 milhões de pessoas adquiriram a infecção e cerca de 35 milhões morreram. Atualmente, cerca de 37 milhões vivem com HIV no mundo. Um grupo cada vez mais afetado são as adolescentes e as mulheres jovens (entre 15 e 24 anos), que representam uma em cada quatro infecções por HIV na África Subsaariana.

Continuar lendo

Distrito Federal

Publicado

em

17/01/2019 - 17:23

Por

Redação

Foto/Imagem: Andre Borges/Agência Brasília

Em 16 dias de atuação da força-tarefa, o programa SOS Saúde alcançou a marca de 367 cirurgias eletivas e de urgência, realizadas no Instituto Hospital de Base e no Instituto de Cardiologia. Somado aos 833 procedimentos feitos em outros oito hospitais da rede, já são 1.200 em diversas especialidades.

Os dados não incluem os hospitais do Guará (por não ter centro cirúrgico), além de Gama e Santa Maria, que ainda concluem o levantamento de pacientes que estão aptos para cirurgias e aqueles que precisam fazer exames pré-operatórios.

A unidade da rede com o maior número de cirurgias neste período foi o Hospital Regional de Sobradinho, com 198, sendo a maior parte delas eletivas (104). O Hospital Regional de Ceilândia vem em seguida, com 121 cirurgias realizadas, incluindo as de urgência e eletivas.

Os hospitais de Planaltina e da Região Leste (HRL – antigo Hospital Regional do Paranoá) também fizeram mais de 100 procedimentos em 15 dias. Referência em cirurgias ortopédicas, o HRL fez 63 procedimentos eletivos, sendo 25 deles ortopédicas, e 48 de urgência. Em Planaltina, o destaque foi para as cirurgias ginecológicas, um total de 46 das 112 realizadas.

Na Região Sudoeste, onde estão os hospitais de Taguatinga e Samambaia, o total de cirurgias foi de 163, sendo 89 no HRT e 74 no HRSam. Em Brazlândia, 37 pacientes foram atendidos e no Hospital Regional da Asa Norte, outros 91.

Continuar lendo

Volta às aulas

Publicado

em

17/01/2019 - 11:55

Por

Redação

Foto/Imagem: iStock

Um problema comum na infância é o piolho. O inseto causa muita coceira e pontos vermelhos na nuca e na cabeça das crianças. A proliferação do piolho se dá pelo contato pessoal, já que o inseto não pula ou voa.

“O aparecimento dos piolhos é percebido por meio das lêndeas, que são os ovos do inseto. As lêndeas são os pontos brancos aderidos nas hastes dos fios de cabelo”, explica o dermatologista e tricologista Luciano Morgado, da clínica Monte Parnaso, na Asa Sul de Brasília.

O médico diz que o tratamento do problema começa com a higienização do couro cabeludo. Já o uso de substâncias químicas para matar os insetos deve ser de acordo com a prescrição de um dermatologista.

“Muitas pessoas fervem água com vinagre, por exemplo, e lavam os cabelos das crianças com essa mistura, o que não é indicado e, principalmente, não mata o piolho ou a lêndea”, afirma o especialista.

Segundo Morgado, o vinagre pode ser usado apenas para retirar as lêndeas. Nesse caso, o líquido pode ser diluído na proporção de 1 para 1 em água, e usado para pentear os cabelos com pente fino, retirando as lêndeas. Já o tratamento para os piolhos exige o uso de medicações orientadas por dermatologistas, como a permetrina, por exemplo.

O profissional acrescenta que a roupa de cama da criança deve ser trocada diariamente, além de lavada e depois passada a ferro. Os pentes usados devem ser lavados e desinfetados.

“Enquanto houver piolhos, o aluno deve ficar afastado da escola, porque o problema pode afetar as outras crianças da mesma turma”, orienta Luciano Morgado.

Continuar lendo

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Mais Lidas da Semana

Legítima defesa

Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas

Para o Chile e Estados Unidos

Em recuperação judicial, Avianca cancela voos internacionais

Chegou a hora

Inep: resultado do Enem será divulgado nesta sexta às 10h

Bolsonaro assinou decreto

Pessoas acima de 25 anos podem comprar até 4 armas de fogo

Lote multiexercício

Receita Federal libera consulta à restituição do IR de 2008 a 2018

Android e iOS

BRB disponibiliza abertura de conta-corrente via aplicativo

Até cinco parcelas

Seguro-desemprego é reajustado. Valor máximo vai a R$ 1.735,29

Ensino superior

Excelência: UnB está entre as melhores de países emergentes