Notícia

InforChannel

Região NE lidera procura por plataforma de ensino

Publicado em 04 maio 2020

Por Redação

Plataforma de Ensino e Aprendizagem, que utiliza games e Inteligência Artificial, auxilia na formação e na educação dos alunos de forma divertida, durante o período de confinamento. Em menos de um mês, foram mais de 2 milhões de desafios de matemática realizados

Com o objetivo de apoiar as escolas durante o período de fechamento causado pela pandemia do novo coronavírus, a Educacross, Plataforma de Ensino e Aprendizagem de Lógica e Matemática criada pela Edtech Cross Reality, nascida na Incubadora da Supera Parque, campus da USP, em Ribeirão Preto, liberou gratuitamente o acesso à plataforma para as escolas públicas e privadas de todo o Brasil. São 1.800 jogos com mais de dois milhões de desafios com questões sobre Matemática e Lógica, com personalização e gamificação que promovem alto grau de engajamento, desenvolve o protagonismo, a autoavaliação e a busca por melhor desempenho.

A Educacross atende crianças de 5 a 12 anos e apresenta a cada ator educacional (alunos, pais, professores, diretores e gestores de rede de ensino) interações distintas, porém complementares. Sua arquitetura alia Metodologia própria, Games e Inteligência Artificial.

A iniciativa tem sido muito bem recebida pelas escolas. Segundo estimativa dos educadores responsáveis pela plataforma, a base de escolas que aderiram à plataforma praticamente dobrou nos últimos 30 dias, depois de decretado o isolamento social. São mais de 2 milhões de desafios resolvidos durante esse período. Ainda segundo levantamento da empresa, cada aluno dedica, em média, duas horas por dia do seu tempo resolvendo os desafios da plataforma.

“Através de nosso sistema podemos acompanhar o aumento do interesse das escolas e o quanto este formato de ensino, que reúne educação de qualidade com o ambiente lúdico do universo de games, tem excelente recepção por parte dos alunos. Estamos certos que os alunos inseridos e que utilizam sistematicamente a Plataforma estão desenvolvendo suas habilidades cognitivas e estarão em dia com sua aprendizagem. E mais, com as habilidades potencializadas para a compreensão das demais áreas do conhecimento”, afirma Érica Stamato, MBA em Gestão Escolar pela USP, cofundadora e Diretora da Educacross.

Com adesão de escolas de todas as regiões do Brasil, a plataforma Educacross tem recebido um grande número de adesões das instituições de ensino do Nordeste, em especial. A forte presença da região é demonstrada também nos resultados dos alunos. Maria Luiza Leite Oliveira, aluna do Colégio GEO – Unidade Sul, de João Pessoa, na Paraíba, é tricampeã nacional da competição organizada pela Educacross reunindo alunos de escolas de todo o País. “Fui apresentada ao Educacross por minha professora de Matemática no 2º ano. Ela me disse que era um game educativo, fiquei curiosa e quando cheguei em casa pedi para meu pai baixar no celular. Hoje estou no 5º ano do Fundamental e sempre acesso a plataforma. Aprendo muitas coisas e me divirto, ao mesmo tempo”, conta Maria Luiza. Ainda segundo ela, os desafios da Educacross têm ajudado a torná-la uma pessoa mais determinada e a gostar mais dos desafios. Há um mês em isolamento social, Malu, como é chamada pela família e por amigos, joga todos os dias e não para de conquistar as medalhas. Mais uma vez, está em primeiro lugar na disputa com alunos de todo o País.

Ao analisarmos as informações contidas na Plataforma, Malu já respondeu 52.752 desafios, resolve jogos de alta complexidade e mantém uma rotina na utilização da Educacross. Acreditamos que Maria Luiza encontra na Plataforma recursos para expressar e desenvolver sua genialidade. Afirma Érica Stamato CEO e Cofundadora da Educacross.

Diversão com qualidade de ensino e aprendizagem comprovada Durante este período de quarentena, as escolas que investiram em Tecnologia e na Cultura Digital estão conseguindo propor com sucesso aulas para os alunos em casa. “Já as demais escolas que, por diversos motivos, adiaram o investimento em Cultura Digital, vivem uma situação mais delicada. O esforço das escolas e professores não digitais têm sido fantástico, a entrega de aulas em canais como youtube ou videoconferência é louvável, mas os país têm assistido às aulas e questionado a qualidade do ensino”, analisa Érika Stamoto. É diante deste cenário que a Educacross tem ajudado a transformar realidades em escolas de todo o país. “Com um ano de aplicação da Educacross, nossa Escola passou de 5,7 para 7,0 no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), agora estamos entre as três melhores Escolas Públicas da nossa cidade! Os alunos, pais, e professores estão mais confiantes e felizes”, afirma Sonia Paro, Diretora da EMEB Maria Fernanda Lopes Piffer, em Bebedouro/SP.

Aprendizado Baseado em Jogos

A Plataforma Educacross é constituída pela convergência de metodologias e processos que aperfeiçoam o Ensino-Aprendizagem em Matemática e a Gestão do Conhecimento. Com metodologia própria, Games e Inteligência Artificial, a Plataforma já está presente em todo o país, contabiliza mais de 40 milhões de desafios de Lógica e Matemática resolvidos pelos alunos e cerca de 1,6 milhão de horas de estudos consolidadas.

Por meio do Aprendizado Baseado em Jogos (Game-Based Learning), as crianças interagem com os games de forma lúdica e envolvente, enquanto um conjunto de algoritmos, técnicas estatísticas e ferramentas analíticas entregam experiências personalizadas, e os pais, professores e gestores recebem informações sobre a interação e o desempenho dos filhos e alunos.

Pesquisa realizada junto à Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) com 300 alunos, demonstrou que os alunos resolveram, pelo menos, 10 vezes mais exercícios na Plataforma do que no papel, e o desempenho, em média, foi duas vezes maior que os indicados em atividades realizadas no papel. Segundo os educadores da Educacross, um dos grandes diferenciais da Plataforma de games educativos é conversar diretamente com a geração conhecida como “nativos digitais”. “Ensinar e aprender em qualquer lugar e a qualquer hora é uma realidade que tem muito a ver com a geração digital. E esse período vem para alicerçar de vez o Ensino Híbrido”, afirma Stamato.

Vantagens competitivas da Plataforma

Além de permitir uma interação lúdica com a Matemática, a Plataforma Educacross oferece ainda outras vantagens para escolas, professores e alunos, como: o Ensino Baseado em Jogos Digitais que têm demonstrado excelentes resultados ao redor do mundo; o Ensino Híbrido que une o real com o virtual e abre possibilidades no tempo e no espaço; o Ensino Baseado em Evidências na qual a análise do desempenho (Avaliação) acontece em tempo real e de forma contínua; O Ensino Baseado em Competências que desenvolve-se o “saber fazer” por conta da simulação do cotidiano no jogo, e que também desenvolve as competências e habilidades elencadas na Base Nacional Comum Curricular “BNCC” integralmente. Também oferece Ensino Personalizado e Adaptativo, nos quais os desafios são entregues conforme o perfil do aluno e se adaptam a cada interação e a Gamificação, mecânicas que promovem o engajamento e melhora constante de performance. Se não bastasse, a Educacross é bilíngue e desenvolve integralmente todo o conteúdo curricular de Matemática do Ensino Fundamental I.

Além das escolas públicas e particulares, a Plataforma Educacross também tem sido aplicada junto à adultos, em parceria com a Educação de Jovens e Adultos (EJA), com excelentes resultados na área de inclusão social.

As escolas que têm interesse em utilizar a Plataforma Educacross gratuitamente, durante o período de quarentena, devem se cadastrar pelo site www.educacross.info.

Breve histórico

Desenvolvida no Parque Tecnológico Supera/ Fipase da USP de Ribeirão Preto/SP;

Apoiada em projetos CNPq e FAPESP;

Eleita pela 100 Open Startups como uma das mais promissoras e inovadoras em 2015 e 2016;

Vencedora do Prêmio Lide em Impacto Social em 2016;

Entrou no programa BizSpark de apoio da Microsoft em 2017;

Participou do Programa de Aceleração do Facebook – FBStart;

Tem parcerias com Laboratórios de Pesquisa na USP e UFSCar.