Notícia

Agência C&T (MCTI)

Rede de pesquisas sobre malária terá investimentos de R$15 milhões

Publicado em 02 outubro 2008

A rede multilateral de pesquisa sobre malária, articulada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) terá, somente no seu primeiro edital, investimentos na ordem de R$ 15 milhões. Deste total, as Fundações de Amparo à Pesquisa (Faps) vão entrar com R$ 7,5 milhões e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT) com quantia equivalente.

A definição dos investimentos ocorreu na última terça-feira (30), em Brasília (DF), na reunião do presidente do CNPq, Marco Antonio Zago, com dirigentes das Fundações de Amparo à Pesquisa dos estados do Amazonas (Fapeam), Pará (Fapespa), Maranhão (Fapema), Minas Gerais (Fapemig) e São Paulo (Fapesp), que integram a rede. 

Para o presidente do Conselho Nacional de Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap) e diretor-presidente da Fapeam, Odenildo Teixeira Sena, o acordo fortalece a parceria entre as instituições estaduais. “Esse será um dos maiores editais da história das FAPs”, disse. Segundo ele, o volume de recursos direcionados pode crescer, caso a rede ganhe adesão do Ministério da Saúde.

O termo de cooperação técnica para a criação da Rede de Malária deverá ser assinado nesta sexta-feira (3), um dia depois da reunião técnica do Conselho Nacional das Fundações de Amparo à Pesquisa (Confap). A discussão sobre a criação de rede de pesquisa será feita durante um seminário, no qual serão acertados os últimos detalhes para a assinatura do termo de cooperação entre as fundações, além do CNPq.

Odenildo adiantou que cada FAP conveniada vai indicar dois pesquisadores para integrar a rede. “Depois disso, vamos lançar um edital simultâneo nos cinco estados, para selecionar os trabalhos que constituirão a rede”, disse.

Com a confirmação do valor do primeiro edital, a perspectiva é de que cada Fap invista R$ 1,5 milhão (R$ 7,5 milhões no total) e o CNPq o mesmo valor. Ainda durante o seminário, os presidentes das fundações de amparo à pesquisa também se reúnem com representantes do Ministério da Saúde para discutir o tema. A intenção é que o Ministério contribua para o fortalecimento da rede.

Rede de Pesquisa

Apesar da região Norte ter a maior concentração de casos de malária do País, a participação de pesquisadores de Minas Gerais e São Paulo se justifica pelo trabalho que ambos os estados vêm desenvolvendo nessa área. “São Paulo e Minas Gerais têm grupos de pesquisas em malária e nós queremos fazer esse intercâmbio para ampliarmos os conhecimentos sobre a doença”, disse Sena.

A idéia, que agora está virando realidade, para a criação da rede interestadual para pesquisar a malária partiu da Fapeam e foi aceita pelas fundações dos demais estados. A iniciativa será apresentada durante o seminário de sexta-feira como um novo modelo de parceria que pode ser seguido pelas Faps. “Até agora, as parcerias têm sido feitas entre as fundações de amparo à pesquisa e os órgãos de fomento do governo federal. Nós vamos propor a ampliação das parcerias entre as Faps”, disse Sena.

O presidente do Confap acredita que com a parceria os estados que estão na vanguarda em determinadas áreas de pesquisas poderão contribuir com aqueles em maior dificuldade. “Essa troca de experiência é importante para o desenvolvimento da pesquisa no País”, afirmou Sena.

Na reunião, os membros do Confap também vão discutir o acordo de cooperação das instituições brasileiras com a União Européia, para intercâmbio de cursos de pós-graduação na Europa. A União Européia já definiu investimentos de €4 milhões no projeto. O governo federal também vai injetar o mesmo valor, e os estados participantes vão entrar com €2,5 milhões, cada. “Nessa reunião as fundações vão aparar as últimas arestas para a formatação dos editais conjuntos. Por enquanto, a Fapeam participa apenas como ouvinte. Ainda vamos estudar melhor esses editais”, afirmou Sena.

Informações da Fapeam