Notícia

Comunidade Exkola

Reconstrução vai ser imediata

Publicado em 28 fevereiro 2012

Ministro convoca "força-tarefa" entre militares e órgãos de pesquisa para levantar recursos e iniciar já a obra da nova base SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/(ABR) O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, planeja formar uma força-tarefa para ajudar a reconstruir a Estação Comandante Ferraz, base militar e científica do Brasil na Antártica, destruída por um incêndio na madrugada de sábado.

Raupp afirmou, por meio de sua assessoria, que nos próximos dias deve agendar uma reunião com as instituições que mantêm pesquisas na Antártica para avaliar o que restou da base e iniciar tratativas com o objetivo de reerguer a estação.

"É preciso um esforço conjunto de todas as instituições na busca de recursos para a reconstrução da estação", disse Raupp, após visitar a Fapesp (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo), no final da tarde de ontem. Entre as instituições está o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), de São José dos Campos. O ministro esteve em São José dos Campos, no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) e no Parque Tecnológico. No entanto, Raupp evitou conversar com a imprensa em São José. Em São Paulo, ele relatou que é preciso verificar de onde é possível realocar recursos para a reconstrução da estação, mas não deu mais detalhes.

"Lanço a proposta para todas as instituições envolvidas no Proantar (Programa Antártico Brasileiro) para analisarmos de onde poderemos conseguir recursos para a estação", afirmou. Segundo Raupp, nos últimos seis anos, o MCTI investiu cerca de R$ 140 milhões no Proantar. Raupp defende que o governo deve usar o navio polar Almirante Maximiano como base provisória do Brasil na Antártica até que seja reconstruída a Comandante Ferraz.

Segundo ele, o navio polar possui equipamentos e laboratórios que permitem o desenvolvimento de pesquisas na região antártica. Na avaliação do ministro, o Proantar não será suspenso, porque há trabalhos que não podem ser interrompidos, principalmente os de mudanças climáticas e análises de cadeias alimentares.

Corte. A vice-presidente da Frente Parlamentar de Apoio ao Programa Antártico, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), afirmou que não houve sensibilidade da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Congresso Nacional para separar mais recursos para os gastos com a Estação Comandante Ferraz e as pesquisas na Antártica.

Ela relatou que, de 2011 a 2012, os recursos previstos no Orçamento da União para a Missão Antártica caíram de R$ R$ 75,1 milhões para R$ 19,9 milhões, descritos no programa temático Mar, Zona Costeira e Antártica. Segundo a deputada, nem mesmo os recursos orçamentários destinados a região têm garantia de execução. Em balanço feito em novembro do ano passado, a Frente Parlamentar de Apoio ao Programa Antártico verificou que nenhum real previsto em emendas de deputados, senadores ou comissões para a missão brasileira no continente tinha sido executado.

A parlamentar disse esperar que mais R$ 20 milhões sejam destinadas a missão para reconstrução da estação. O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse ontem apenas que a nova estação terá "segurança redobrada", mas não comentou sobre recursos.

 

http://www.ovale.com.br/2.621/reconstruc-o-vai-ser-imediata-1.224799

Fonte: O Vale

Autor: Redação