Notícia

CPqD

Reabilitação de pessoas com deficiências motoras é o foco de projeto da Unidade EMBRAPII CPqD com a empresa Bioxthica

Publicado em 05 dezembro 2017

A aplicação de recursos tecnológicos como sensores, softwares e óculos de realidade virtual (RV) pode contribuir para aumentar a eficiência de tratamentos voltados à reabilitação física e neurofuncional de pacientes com deficiências motoras – decorrentes, por exemplo, de acidente vascular cerebral (AVC). Esse é o foco do novo projeto que a Unidade EMBRAPII CPqD está desenvolvendo em parceria com a Bioxthica, spin-off incubada na Inova Unicamp (INCAMP) que dispõe de uma plataforma de softwares de RV para aplicações de neuroreabilitação e Interação Humano-Computador (IHC).

“A intenção é oferecer uma ferramenta de auxílio ao trabalho do profissional de saúde especializado em cinesiologia, que é o estudo dos movimentos humanos”, explica Alexandre Brandão, fundador da Bioxthica – que será responsável por colocar a nova solução no mercado. “Trata-se de um complemento ao tratamento convencional conduzido por profissionais dessa área, que deverá aumentar a motivação do paciente ao transformar as atividades terapêuticas em entretenimento, por meio de interação com os ambientes de RV de maneira fisicamente ativa”, acrescenta.

A plataforma da Bioxthica já existente combina softwares e dispositivos de captura de movimentos corporais com a interface de realidade virtual. Sensores posicionados na região do tornozelo do paciente registram os movimentos que ele consegue fazer com os membros inferiores e enviam as informações para uma placa controladora, colocada em sua cintura. Essa placa transfere, via Bluetooth, os sinais físicos do movimento para um ambiente virtual – por exemplo, as ruas de uma cidade – ao qual o usuário tem acesso por meio de um smartphone inserido em óculos de realidade virtual, permitindo que ele controle esse ambiente simulado.

“Além de motivar o paciente, essa solução oferece ao terapeuta informações que permitem monitorar os avanços e resultados do tratamento e, eventualmente, ajudar na tomada de decisões, a fim de aumentar a sua eficiência”, acrescenta Brandão. Com o projeto em desenvolvimento junto ao CPqD, por intermédio da EMBRAPII/SEBRAE, o objetivo é incorporar à solução da Bioxthica um dispositivo que eliminará a necessidade de utilização da placa controladora para comunicação direta com o ambiente virtual – e com os softwares da empresa -, tornando o sistema mais versátil e preciso.

O foco do projeto, que deverá ser concluído no primeiro semestre de 2018, é o desenvolvimento de um Biomechanics Sensor Node (BSN) capaz de captar movimentos e fazer o reconhecimento de gestos com maior precisão. “O dispositivo terá um módulo de processamento e conectividade, por meio de tecnologia sem fio, para envio dos sinais capturados para o smartphone, além de sensores integrados”, adianta Clovis Magri Cabreira, da Gerência de Desenvolvimento de Dispositivos e Sensores do CPqD.

Cabreira diz que o dispositivo poderá ser fixado nos membros inferiores, na região do tornozelo, de modo a permitir a tradução de movimentos característicos da marcha estacionária (simulação de caminhada sem deslocamento espacial). Alexandre Brandão acrescenta que a finalidade desse projeto é unificar o sensor e a placa controladora, utilizados atualmente, em um único dispositivo em forma de pulseira (wearable device, ou dispositivo vestível) que permitirá a captura dos movimentos em qualquer plano e será capaz de reconhecer coordenadas espaciais (para cima e para baixo, para frente e para trás, de um lado para outro e movimentos na diagonal), permitindo a utilização dessas informações para controlar ambientes de RV.

Brandão é doutor em Biotecnologia pela Universidade Federal de São Carlos e especialista em Informática em Saúde pela UNIFESP. Atualmente é pesquisador da Unicamp junto ao Grupo de Neurofísica e um dos coordenadores da linha de pesquisa “Realidade Virtual e reabilitação neurofuncional”, que faz parte de um projeto mais amplo na área de neurociência e neurotecnologia conduzido pelo Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) BRAINN – Brazilian Institute of Neuroscience and Neurotechnology, com apoio da FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Sobre o CPqD

Com foco na inovação em tecnologias da informação e comunicação, o CPqD é uma organização independente. Criado há mais de 40 anos, mantém o maior programa de pesquisa e desenvolvimento da América Latina em sua área de atuação. Seu portfólio abrangente de soluções, serviços, sistemas de missão crítica e tecnologias de produto transferidas para a indústria é utilizado nos mais diversos segmentos de mercado, no Brasil e no exterior, contribuindo para o aumento da eficiência das organizações, a transformação da experiência com seus clientes, a viabilização de modelos de negócios e a criação de novos produtos. Referência tecnológica no país, o CPqD integra o ecossistema de inovação aberta que vem alavancando o empreendedorismo, por meio de suas competências em áreas estratégicas da transformação digital – como Internet das Coisas, Inteligência Artificial e Conectividade.

www.cpqd.com.br | Twitter | Facebook | Google+ | LinkedIn

Informações para imprensa

Pimenta Comunicação

Rosa Sposito – rosa@pimenta.com

Fone: (11) 2858-9183/ (11) 99701-0359

Isabela Rodrigues – isabela@pimenta.com

Fone: (11) 2858-9153

www.pimenta.com

Jornalista Responsável: Regina Pimenta – Mat. Sindical: 5070